4095 fans     1321 seguidores     39 seguidores - Club Adiante - Dirixe: Xosé Manuel Lema [Contacto]

Daniel Lago

Daniel Lago

Nado em Vigo, no 1979. Licenciado em Ciências Políticas pela USC (1998-2003) especialidade em estudos políticos e relações internacionais. Cursou Estudos Europeus na Universidade Moderna de Porto. Empresário do sector financeiro e da gestão de riscos e a protecção financeira. Secretario de programas e estudos políticos da Executiva Nacional de Compromisso por Galiza. Membro do Conselho Nacional e Secretario Local de CxG em Vigo.

Tay o robô que era “boa pessoa"

Publicada: 16/02/2017

Aumentar texto Disminuir texto Reiniciar texto
1
0
0

Email Google+ Pinterest WhatsApp Menéame Chuza! Cabozo

Tempo de lectura: 6 minutos e 43 segundos.

Muitos de nós temos guardado, nesse ponto que damos em chamar memoria coletiva, imagens de momentos de grande transcendência política, que foram transmitidos pela televisão. A comunicação política nos últimos 60 anos tem o seu modo de transmissão “natural” a través da TV. Mas isto está a dar tudo um giro “coperniciano”.

No nascimento das democracias liberais, os jornais; tanto burgueses, como proletários; fizeram de transmissores fundamentais das mensagens políticas. Se bem, a leitura, nessas alturas, era um bem escasso, e unicamente uma vanguarda tinha aceso aos jornais em papel. Os fins do século XIX vieram a auge da prensa escrita como monopolizadora da informação, embora não chegaram a toda a população.

Logo chegaria a radio-difusão; os agitados anos ´20 e ´30 do século XX, foram testemunhas de como a radio achegava as mensagens políticas aos mais diversos lugares. Os grandes fascismos, com a ajuda dos alto-falantes, entram por toda parte. Entramos de cheio na política de massas e nos médios de comunicação de massa.  

O cinema teria também a sua época dourada; no que a comunicação política refere-se. O começo da II Guerra Mundial marca o principio das melhores horas de propaganda política no grande ecrã. A comunicação política em grande formato, acompanhada de imagens e som, deu uma nova perspetiva, que seria posteriormente trasladada a essa janela indiscreta que será a TV, com a sua expansão em década dos '60. 

Criou-se um “nós” com memoria coletiva, onde as imagens retransmitidas eram a realidade. O debate Kennedy-Nixon de 26 de Setembro de 1960 marcou o inicio da telegenia na política. Não é suficiente com ter um programa político, com ter um dossier com o que explicar as políticas públicas; a partir deste momento, a comunicação não verbal e a aparência de espontaneidade, tornam em fatores decisivos na transmissão da mensagem política. 

Já agora, estamos numa outra dimensão da comunicação política, onde as redes sociais e a Internet são as plataformas principais de comunicação política. Umas plataformas que não resistem ao debate e nas que é difícil, muitas vezes, distinguir o “fake news”. Nas redes é fácil conseguir mobilizações: change.org, avaaz,.. o difícil é achar consensos que sirvam para trasladar à realidade. 

Ao tempo, nas redes sociais, o anonimato, provoca uma desaparição do centro político. Nas redes, uma grande maioria, extrema as suas posturas políticas. A prontidão das mensagens e a sua suposta espontaneidade, fez chegar a comunicação política para além dos mass media tradicionais, porem fica numa versão virtual da ação política. Mas neste mundo virtual, as posturas extremófilas ganham lugar e os robôs, finalmente, transladam mensagens nesta linha. 

Uma realidade pronto-a-vestir gerada a través de robôs. Nisto já é que está a novidade, a ultrapassagem do marco natural e humano das mensagens políticas, a mensagens criadas a través da “Big Data”. Uma multidão de mensagens políticas, criadas seguindo os diversos perfis de utentes, nas diversas redes e destinadas em exclusividade a eles mesmos a través de uma cada vez mais refinada canteira de dados. 

Tornamos a uma comunicação política que afasta das mensagens maciças, agora estes robôs; esses algoritmos e programas informáticos; recolhem dados nossos que são públicos nas redes sociais e criam mensagens dirigidos e segmentados, dirigidos na sua maior parte, em base a expectativas, que podemos dar em chamar eleitorais.

Lembramos aquele robô da Microsoft, a Tay, que no Twitter passou de ser uma “excelente pessoa” a mudar para um ser xenófobo e sexista em menos 24 horas. Deste modo, seguramente é que vai começar a funcionar a comunicação política no futuro. O racional está a ser substituído pelo irracional, o coletivo pelo individual e as democracias pelas autocracias. 

Se queres podes deixar un comentario sobre esta opinión no Facebook:

Pódeche interesar...

300

Daniel Lago

Isto poderia ser um modo de enfiar o tema com a banda desenhada, ou o mais conhecido filme, onde Leónidas defende com 300 espartanos o passo das Termópilas dos invasores do império de Xerxes I. Poderia, mas não é, isto não trata disto, não vamos falar das guerras da antiga Grécia. Ou se calhar, também, pode ser.   Temos, assim por diante, no horizonte da construção da União Europeia vários modelos desenhados para a agenda 2020 afetada por temas coma o Brexit ou a criação de…

Daniel Lago
Ler máis

Miguel Ángel, un ourensán precursor da galeguización

Xosé González Martínez

A Deputación de Ourense concedeulle o premio Ourensanía a Miguel Ángel González “por ter sido,se cadra, o deportista ourensán que máis altas cotas de recoñecemento acadou no ámbito internacional que nunca esqueceu as súas raíces, que aínda hoxe reivindica dentro e fóra de Ourense”. Tales foron os méritos que o xurado considerou para tal distinción institucional.     Por volta dos anos oitenta, servidor era funcionario do Concello de Redondela e xefe do seu servizo de…

Xosé González Martínez
Ler máis

Non falta tanto para as eleccións municipais

Xosé Manuel Lema Mouzo

Non lle faltaba razón ao político laborista británico Harold Wilson cando dicía que en política unha semana é moito tempo. Nunhas horas ou nuns días pódese desmoronar o castelo de naipes de calquera dirixente ou organización.    Pero non é menos certo que para a estratexia política a cousa é diferente. Un ciclista pode quedar sen forzas a poucos quilómetros da meta e estragar todo o traballo dun ano nuns minutos, pero o traballo de preparación fíxoo chegar ata aí. E o nor…

Xosé Manuel Lema Mouzo
Ler máis

Noticias sobre A Costa da Morte, as suas comarcas e os seus concellos: Bergantiños, Soneira, Camariñas, Carballo, Cee, Corcubión, Dumbría, Fisterra, Muxía, Vimianzo, Santa Comba e Zas.
Opinión
Enova Energia
Concello de Dumbría
Concello de Mazaricos
Concello de Neda
El candidato ganador: Cómo organizar campañas electorales para ganar unas elecciones (Marketing Político)
OndaHit
En breves

Adiante TV

Opinión

300

Daniel Lago

Isto poderia ser um modo de enfiar o tema com a banda desenhada, ou o mais conhecido filme, onde Leónidas defende com 300 espartanos o passo das Term…

Daniel Lago
Ler máis

Miguel Ángel, un ourensán precursor da galeguización

Xosé González Martínez

A Deputación de Ourense concedeulle o premio Ourensanía a Miguel Ángel González “por ter sido,se cadra, o deportista ourensán que máis altas c…

Xosé González Martínez
Ler máis

Non falta tanto para as eleccións municipais

Xosé Manuel Lema Mouzo

Non lle faltaba razón ao político laborista británico Harold Wilson cando dicía que en política unha semana é moito tempo. Nunhas horas ou nuns …

Xosé Manuel Lema Mouzo
Ler máis

Conversas na Encrucillada

Usamos cookies propias e de terceiros para mostrar publicidade personalizada segundo a súa navegación. Se continua navegando consideramos que acepta o uso de cookies. OK Máis información