4392 fans     1355 seguidores     39 seguidores - Club Adiante - Dirixe: Xosé Manuel Lema [Contacto]
Ingenieria Rodríguez

Daniel Lago

Daniel Lago

Nado em Vigo, no 1979. Licenciado em Ciências Políticas pela USC (1998-2003) especialidade em estudos políticos e relações internacionais. Cursou Estudos Europeus na Universidade Moderna de Porto. Empresário do sector financeiro e da gestão de riscos e a protecção financeira. Secretario de programas e estudos políticos da Executiva Nacional de Compromisso por Galiza. Membro do Conselho Nacional e Secretario Local de CxG em Vigo.

Tay o robô que era “boa pessoa"

Publicada: 16/02/2017

Aumentar texto Disminuir texto Reiniciar texto
1
0
0

Email Google+ Pinterest WhatsApp Menéame Chuza! Cabozo

Tempo de lectura: 6 minutos e 43 segundos.

Muitos de nós temos guardado, nesse ponto que damos em chamar memoria coletiva, imagens de momentos de grande transcendência política, que foram transmitidos pela televisão. A comunicação política nos últimos 60 anos tem o seu modo de transmissão “natural” a través da TV. Mas isto está a dar tudo um giro “coperniciano”.

No nascimento das democracias liberais, os jornais; tanto burgueses, como proletários; fizeram de transmissores fundamentais das mensagens políticas. Se bem, a leitura, nessas alturas, era um bem escasso, e unicamente uma vanguarda tinha aceso aos jornais em papel. Os fins do século XIX vieram a auge da prensa escrita como monopolizadora da informação, embora não chegaram a toda a população.

Logo chegaria a radio-difusão; os agitados anos ´20 e ´30 do século XX, foram testemunhas de como a radio achegava as mensagens políticas aos mais diversos lugares. Os grandes fascismos, com a ajuda dos alto-falantes, entram por toda parte. Entramos de cheio na política de massas e nos médios de comunicação de massa.  

O cinema teria também a sua época dourada; no que a comunicação política refere-se. O começo da II Guerra Mundial marca o principio das melhores horas de propaganda política no grande ecrã. A comunicação política em grande formato, acompanhada de imagens e som, deu uma nova perspetiva, que seria posteriormente trasladada a essa janela indiscreta que será a TV, com a sua expansão em década dos '60. 

Criou-se um “nós” com memoria coletiva, onde as imagens retransmitidas eram a realidade. O debate Kennedy-Nixon de 26 de Setembro de 1960 marcou o inicio da telegenia na política. Não é suficiente com ter um programa político, com ter um dossier com o que explicar as políticas públicas; a partir deste momento, a comunicação não verbal e a aparência de espontaneidade, tornam em fatores decisivos na transmissão da mensagem política. 

Já agora, estamos numa outra dimensão da comunicação política, onde as redes sociais e a Internet são as plataformas principais de comunicação política. Umas plataformas que não resistem ao debate e nas que é difícil, muitas vezes, distinguir o “fake news”. Nas redes é fácil conseguir mobilizações: change.org, avaaz,.. o difícil é achar consensos que sirvam para trasladar à realidade. 

Ao tempo, nas redes sociais, o anonimato, provoca uma desaparição do centro político. Nas redes, uma grande maioria, extrema as suas posturas políticas. A prontidão das mensagens e a sua suposta espontaneidade, fez chegar a comunicação política para além dos mass media tradicionais, porem fica numa versão virtual da ação política. Mas neste mundo virtual, as posturas extremófilas ganham lugar e os robôs, finalmente, transladam mensagens nesta linha. 

Uma realidade pronto-a-vestir gerada a través de robôs. Nisto já é que está a novidade, a ultrapassagem do marco natural e humano das mensagens políticas, a mensagens criadas a través da “Big Data”. Uma multidão de mensagens políticas, criadas seguindo os diversos perfis de utentes, nas diversas redes e destinadas em exclusividade a eles mesmos a través de uma cada vez mais refinada canteira de dados. 

Tornamos a uma comunicação política que afasta das mensagens maciças, agora estes robôs; esses algoritmos e programas informáticos; recolhem dados nossos que são públicos nas redes sociais e criam mensagens dirigidos e segmentados, dirigidos na sua maior parte, em base a expectativas, que podemos dar em chamar eleitorais.

Lembramos aquele robô da Microsoft, a Tay, que no Twitter passou de ser uma “excelente pessoa” a mudar para um ser xenófobo e sexista em menos 24 horas. Deste modo, seguramente é que vai começar a funcionar a comunicação política no futuro. O racional está a ser substituído pelo irracional, o coletivo pelo individual e as democracias pelas autocracias. 

Se queres podes deixar un comentario sobre esta opinión no Facebook:

Pódeche interesar...

Isabel a porca ou Isabel la Católica

Daniel Lago

O vírus do nacionalismo, o veneno do nacionalismo,.. e assim por diante com muita, mais ou menos boa intenção, muita da mídia tem já por costume falarem do fenómeno político que significa o nacionalismo, como uma única ideia e como uma única opção de fazer políticas.    E resulta quando menos curioso. Eu também falo muitas das vezes dos males do nacionalismo que estão a encher muito do discurso político nestes últimos tempos numa onda mundial de neo-tradicionalismo. Faço…

Daniel Lago
Ler máis

Ceas de empresa, tamén en galego

Xosé González Martínez

Chega o tempo das ceas de empresa como limiar das festas do nadal. As expectativas de negocio para os restaurantes seica van ser óptimas. Non é de estrañar porque celebraranse por milleiros. Nelas o ambiente de camaradería  irá acompañado de bos pratos, viños e licores. É unha boa ocasión para que os encargados de organizalas  poñan a proba o seu criterio e o sentido común na escolla dos menús. Dicimos bo criterio porque as máis das veces, por non afirmar que sempre, non se r…

Xosé González Martínez
Ler máis

Patriotismo de pacotilla

Xosé Abelenda

Nunca tanto se escoitou falar da constitución como nestes últimos días. Unha España corrompida, antes que rompida. No estado español temos un partido político que se di defensor da santa constitución e da legalidade, mais cando se trata de pagar a sede en B, de financiarse ilegalmente, non importa tanto a ilegalidade ou a falla de ética total. Co tema de Cataluña, xa non importa se a precariedade laboral está en auxe, se emigramos coma nunca, se os postos novos de traballo son pun…

Xosé Abelenda
Ler máis

Noticias sobre A Costa da Morte, as suas comarcas e os seus concellos: Bergantiños, Soneira, Camariñas, Carballo, Cee, Corcubión, Dumbría, Fisterra, Muxía, Vimianzo, Santa Comba e Zas.
Opinión
III Ciclo Teatro Santa Comba 2017
Semana Gandeira Mazaricos 2017
Navidad Gadis 2017
Enova Energia
CMAT
Concello de Dumbría
Centro de Ortodoncia e Implantologia Dr. J.M. Pose Rodríguez
Concello de Mazaricos
Concello de Neda
El candidato ganador: Cómo organizar campañas electorales para ganar unas elecciones (Marketing Político)
OndaHit
En breves

Adiante TV

Opinión

Isabel a porca ou Isabel la Católica

Daniel Lago

O vírus do nacionalismo, o veneno do nacionalismo,.. e assim por diante com muita, mais ou menos boa intenção, muita da mídia tem já por costume …

Daniel Lago
Ler máis

Ceas de empresa, tamén en galego

Xosé González Martínez

Chega o tempo das ceas de empresa como limiar das festas do nadal. As expectativas de negocio para os restaurantes seica van ser óptimas. Non é de e…

Xosé González Martínez
Ler máis

Patriotismo de pacotilla

Xosé Abelenda

Nunca tanto se escoitou falar da constitución como nestes últimos días. Unha España corrompida, antes que rompida. No estado español temos un par…

Xosé Abelenda
Ler máis

Conversas na Encrucillada

Usamos cookies propias e de terceiros para mostrar publicidade personalizada segundo a súa navegación. Se continua navegando consideramos que acepta o uso de cookies. OK Máis información