3275 fans     1153 seguidores     38 seguidores - Club Adiante - Dirixe: Xosé Manuel Lema [Contacto]
Anunciate aquí - Adiante Galicia

Daniel Lago

Daniel Lago

Nado en Vigo, en 1979.Licenciado em CC. políticas pela USC (1998-2003) especialidade em estudos políticos e relações internacionais.Especialidade Estudos Europeus na Universidade Moderna de Porto.Empresario do sector financeiro e da gestão de riscos e a proteção financeira.Membro do CPN de Compromiso por Galicia 

Tay o robô que era “boa pessoa"

Publicada: 16/02/2017

Aumentar texto Disminuir texto Reiniciar texto
1
0
0

Email Google+ Pinterest Menéame Chuza! Cabozo

Tempo de lectura: 6 minutos e 43 segundos.

Muitos de nós temos guardado, nesse ponto que damos em chamar memoria coletiva, imagens de momentos de grande transcendência política, que foram transmitidos pela televisão. A comunicação política nos últimos 60 anos tem o seu modo de transmissão “natural” a través da TV. Mas isto está a dar tudo um giro “coperniciano”.

No nascimento das democracias liberais, os jornais; tanto burgueses, como proletários; fizeram de transmissores fundamentais das mensagens políticas. Se bem, a leitura, nessas alturas, era um bem escasso, e unicamente uma vanguarda tinha aceso aos jornais em papel. Os fins do século XIX vieram a auge da prensa escrita como monopolizadora da informação, embora não chegaram a toda a população.

Logo chegaria a radio-difusão; os agitados anos ´20 e ´30 do século XX, foram testemunhas de como a radio achegava as mensagens políticas aos mais diversos lugares. Os grandes fascismos, com a ajuda dos alto-falantes, entram por toda parte. Entramos de cheio na política de massas e nos médios de comunicação de massa.  

O cinema teria também a sua época dourada; no que a comunicação política refere-se. O começo da II Guerra Mundial marca o principio das melhores horas de propaganda política no grande ecrã. A comunicação política em grande formato, acompanhada de imagens e som, deu uma nova perspetiva, que seria posteriormente trasladada a essa janela indiscreta que será a TV, com a sua expansão em década dos '60. 

Criou-se um “nós” com memoria coletiva, onde as imagens retransmitidas eram a realidade. O debate Kennedy-Nixon de 26 de Setembro de 1960 marcou o inicio da telegenia na política. Não é suficiente com ter um programa político, com ter um dossier com o que explicar as políticas públicas; a partir deste momento, a comunicação não verbal e a aparência de espontaneidade, tornam em fatores decisivos na transmissão da mensagem política. 

Já agora, estamos numa outra dimensão da comunicação política, onde as redes sociais e a Internet são as plataformas principais de comunicação política. Umas plataformas que não resistem ao debate e nas que é difícil, muitas vezes, distinguir o “fake news”. Nas redes é fácil conseguir mobilizações: change.org, avaaz,.. o difícil é achar consensos que sirvam para trasladar à realidade. 

Ao tempo, nas redes sociais, o anonimato, provoca uma desaparição do centro político. Nas redes, uma grande maioria, extrema as suas posturas políticas. A prontidão das mensagens e a sua suposta espontaneidade, fez chegar a comunicação política para além dos mass media tradicionais, porem fica numa versão virtual da ação política. Mas neste mundo virtual, as posturas extremófilas ganham lugar e os robôs, finalmente, transladam mensagens nesta linha. 

Uma realidade pronto-a-vestir gerada a través de robôs. Nisto já é que está a novidade, a ultrapassagem do marco natural e humano das mensagens políticas, a mensagens criadas a través da “Big Data”. Uma multidão de mensagens políticas, criadas seguindo os diversos perfis de utentes, nas diversas redes e destinadas em exclusividade a eles mesmos a través de uma cada vez mais refinada canteira de dados. 

Tornamos a uma comunicação política que afasta das mensagens maciças, agora estes robôs; esses algoritmos e programas informáticos; recolhem dados nossos que são públicos nas redes sociais e criam mensagens dirigidos e segmentados, dirigidos na sua maior parte, em base a expectativas, que podemos dar em chamar eleitorais.

Lembramos aquele robô da Microsoft, a Tay, que no Twitter passou de ser uma “excelente pessoa” a mudar para um ser xenófobo e sexista em menos 24 horas. Deste modo, seguramente é que vai começar a funcionar a comunicação política no futuro. O racional está a ser substituído pelo irracional, o coletivo pelo individual e as democracias pelas autocracias. 

Se queres podes deixar un comentario sobre esta opinión no Facebook:

Pódeche interesar...

Os senhores da guerra

Daniel Lago

Desde os médios de comunicação marcam e definem muitos dos ideais que andam a navegar de jeito “subconsciente” nas nossas mentes. O jornal “Faro de Vigo” dá um cabeçalho tremendo para uma noticia que deveria ser tomada como algo positivo: “Portugal lanza una ofensiva contra los puertos gallegos con una inversión de 430 millones en Leixões”.    http://www.farodevigo.es/gran-vigo/2017/02/21/portugal-destinara-430-millones-leixoes/1627440.html         …

Daniel Lago
Ler máis

Dobre nacionalidade para os veciños do Couto Mixto

Xosé González Martínez

Os habitantes dos pobos de Santiago, Rubiás e Meaus tiñan o privilexio de escolleren a nacionalidade portuguesa ou española. No día do casamento, os que querían ser portugueses bebían un copo de viño na honra do rei de Portugal e mandaban gravar na casa de morada un P (Portugal); os que preferían a nacionalidade española mandaban brindar polo monarca de España e gravaban un G (Galicia) na casa para onde ían vivir.   A escenificación do auto solemne era así: Pedro, veciño…

Xosé González Martínez
Ler máis

A solución máxica das pensións

Óscar de Souto

Grazas a esta novedosa proposta de subir aos 67 a idade de xubilación e, preparados xa para o corte do grifo das pagas dos abueletes, hai estes días unha importante e nutrida guerra de disques e diretes polas rúas e vilas de todo Espanhistán. E os rumorosos latrican en balde sobre esas grandiosas solucións máxicas que zanxarían para sempre este eterno dilema.     Para dar co a clave do asunto teremos que pensar en qué temos superavit comparados co resto de Europa. Evidentement…

Óscar de Souto
Ler máis

Noticias sobre A Costa da Morte, as suas comarcas e os seus concellos: Bergantiños, Soneira, Camariñas, Carballo, Cee, Corcubión, Dumbría, Fisterra, Muxía, Vimianzo, Santa Comba e Zas.
Opinión
Xantares by Nel
Entroido Santa Comba 2017
PELEmprende
OndaHit
PELPemes
Auto Xallas 2017
Liga Fútbol Sala Santa Comba
Adiante Galicia Colaboradores
Concello de Dumbría
Concello de Mazaricos
En breves

Adiante TV

Opinión

Os senhores da guerra

Daniel Lago

Desde os médios de comunicação marcam e definem muitos dos ideais que andam a navegar de jeito “subconsciente” nas nossas mentes. O jornal “F…

Daniel Lago
Ler máis

Dobre nacionalidade para os veciños do Couto Mixto

Xosé González Martínez

Os habitantes dos pobos de Santiago, Rubiás e Meaus tiñan o privilexio de escolleren a nacionalidade portuguesa ou española. No día do casamento…

Xosé González Martínez
Ler máis

A solución máxica das pensións

Óscar de Souto

Grazas a esta novedosa proposta de subir aos 67 a idade de xubilación e, preparados xa para o corte do grifo das pagas dos abueletes, hai estes días…

Óscar de Souto
Ler máis

Conversas na Encrucillada

Usamos cookies propias e de terceiros para mostrar publicidade personalizada segundo a súa navegación. Se continua navegando consideramos que acepta o uso de cookies. OK Máis información