4200 fans     1342 seguidores     39 seguidores - Club Adiante - Dirixe: Xosé Manuel Lema [Contacto]
Ingenieria Rodríguez

Daniel Lago

Daniel Lago

Nado em Vigo, no 1979. Licenciado em Ciências Políticas pela USC (1998-2003) especialidade em estudos políticos e relações internacionais. Cursou Estudos Europeus na Universidade Moderna de Porto. Empresário do sector financeiro e da gestão de riscos e a protecção financeira. Secretario de programas e estudos políticos da Executiva Nacional de Compromisso por Galiza. Membro do Conselho Nacional e Secretario Local de CxG em Vigo.

Sigurimi, una nova moda de sushi

Publicada: 22/06/2016

Aumentar texto Disminuir texto Reiniciar texto
0
0
0

Email Google+ Pinterest WhatsApp Menéame Chuza! Cabozo

Tempo de lectura: 5 minutos e 51 segundos.

Sigurimi, com certeza que está a evocar nos mais, um grande apetite e umas fortes ganas de comer sushi. Com licença, um Sigurimi de algas e salmão, faz favor!! Mas o Sigurimi não é por desgraça, uma maneira nova de fazer atractivo o peixe cru. 

Siguirimi representa nada na cabeça de muitos, seguramente será o que isso, um novo tipo de sushi. No mesmo que a Pide, uma nova bebida refrescante que traz um sabor novo, excitante e natural!!! Seguramente a Pide aparece anunciada na televisão com algum pivô famoso a beber o dito refresco, com um “gingle” pegadiço e milhares de pícaros sobre-expostos à toma de açucares. Onde é que fica a melhor casa de comidas para experimentar estas novas preparações; com nome que evoca ao oriental ou quando menos ao Leste; pois será na Stasi. Um grande nome, não há dúvida, uma grande sonoridade. Checa, tampouco era mal nome. Ouça!! vamos logo jantar na Checa uns bocados de Sigurimi?? Ora bem, hoje poderíamos arranjar na Stasi, na Checa o outro dia tomei um Sigurimi e tinha demasiado NKVD, demasiado.

O Siguirimi não é uma nova elaboração do sushi. Nem a Pide um novo refresco. Nem a Checa ou a Stasi restaurantes de moda. Sinto a decepção dalguns, desculpo o sorriso dos mais e reconheço a indiferença própria na juventude.

O caso é que muita da gente, que gosta da nova moda, nunca experimentou a velha e nunca ultrapassou a barreira da elaboração da comida aquecida ou instantânea. O hidrogénio liquido, o ar de azeite, os jogos de luzes, os sabores conceptuais, tudo envolto num prato de desenho e bem grande; onde cabe de todo.  Isto de um lado, tem o seu público alvo numa gente de cultura gastronómica de escaparate. De outro lado, a realidade, na casa o mais que cozinha a maioria, é um leite aquecido no micro-ondas com umas bolachas ou uns cereais para o pequeno-almoço. Ou numa outra hipótese, aquecem uma ementa de preparação industrial. Tampouco é que a cozinha, no fim, seja o nosso, melhor em embalagem plástica: refeição individual para fora. Além de tudo, assim não temos que arranjar a cozinha, que sempre dá trabalho.

Um sentido do gosto e do olfacto, sem educar, sem adestrar, leva a comer em muito, hoje em dia, com os olhos, a comer unicamente com a vista, a comer segundo o escaparate. Será por tanta televisão consumida; muitas horas; e as poucas horas dedicadas a mercar, cultivar e auto-produzir alimentos nós mesmos, será pelo pouco tempo destinado a elaborar as comidas na casa. Uma embalagem bonita, uns aditivos que aportem sabores e aromatizantes variados, umas “celebreties” soltando um par de dicas de ordem axiomático e já está, “voila!!”: hoje em dia a refeição perfeita. E não venha você a dizer que é artificial, ou que a etiquetagem tem gralhas evidentes. Não venha você a dizer que os produtos não são de mercados locais ou que não respeitam as normas de higiene e sanidade. É rápido, cómodo e singelo e pode apanhar em qualquer local. 

E é nisto que se tem transformado a mensagem política no fim. Todo o mais parecido à dieta da alcachofra ou a umas almôndegas suecas preparadas. Sem saber e sem importar já de que horta são os produtos, em que cozinha foram preparados, nem o significado do nome que têm as coisas. E assim, logo de tomar o dia 26-J o segundo prato, ficaremos aguardando por uma sobremesa que chegará em outono.

Se queres podes deixar un comentario sobre esta opinión no Facebook:

Pódeche interesar...

China,más Comunismo para perpetuar el Capitalismo

José Manuel Palacín Y Rodríguez

Estos días asistimos al XIX Congreso del Partido Comunista chino, o sea, que se están celebrando las elecciones a la Presidencia del Gobierno, con designación colegiada de los gerifaltes del mandarinismo del siglo XXI; del mismo modo se están trazando las directrices de las futuras políticas socioeconómicas y decidiendo las cuotas de poder de las diferentes facciones.    El “reelegido” es Xi Jinping, o sea, el que tiene mayor influencia en los reducidos círculos de poder. Este…

José Manuel Palacín Y Rodríguez
Ler máis

Incendios y oportunistas

Nacho Louro

Sin lugar a dudas lo más triste de esta tragedia medioambiental, es la pérdida de cuatro vidas humanas. Los terroristas ecológicos han sabido aprovechar muy bien las condiciones climatológicas adversas para causar el mayor daño posible. Buscaron el momento propicio aprovechando los efectos del huracán Ophelia. Vientos fuertes de 80-100 km/h, altas temperaturas que en algunos lugares alcanzaban los 30º, una sequía prolongada en el tiempo, baja humedad en el suelo y en el aire, y una activ…

Nacho Louro
Ler máis

Máximas desculpas Portugal

Daniel Lago

A solidariedade para com todas as famílias das vitimas e desde a minha cativa posição, exponho as minhas máximas desculpas, no nome dos bons e generosos, por ter culpado o nosso presidente a Portugal dos lumes na Galiza.   Vou ser tremendamente descarnado desta volta. Vou ser direto e sem voltas retóricas: é insultar de maneira nojenta a confeção do relato que sobre a vaga de lumes florestais o Presidente da Junta da Galiza tem feito neste domingo passado. Um relato cheio de menti…

Daniel Lago
Ler máis

Noticias sobre A Costa da Morte, as suas comarcas e os seus concellos: Bergantiños, Soneira, Camariñas, Carballo, Cee, Corcubión, Dumbría, Fisterra, Muxía, Vimianzo, Santa Comba e Zas.
Opinión
Enova Energia
CMAT
Concello de Dumbría
Concello de Mazaricos
Concello de Neda
El candidato ganador: Cómo organizar campañas electorales para ganar unas elecciones (Marketing Político)
OndaHit
En breves

Adiante TV

Opinión

China,más Comunismo para perpetuar el Capitalismo

José Manuel Palacín Y Rodríguez

Estos días asistimos al XIX Congreso del Partido Comunista chino, o sea, que se están celebrando las elecciones a la Presidencia del Gobierno, con d…

José Manuel Palacín Y Rodríguez
Ler máis

Incendios y oportunistas

Nacho Louro

Sin lugar a dudas lo más triste de esta tragedia medioambiental, es la pérdida de cuatro vidas humanas. Los terroristas ecológicos han sabido aprov…

Nacho Louro
Ler máis

Máximas desculpas Portugal

Daniel Lago

A solidariedade para com todas as famílias das vitimas e desde a minha cativa posição, exponho as minhas máximas desculpas, no nome dos bons e gen…

Daniel Lago
Ler máis

Conversas na Encrucillada

Usamos cookies propias e de terceiros para mostrar publicidade personalizada segundo a súa navegación. Se continua navegando consideramos que acepta o uso de cookies. OK Máis información