3120 fans     1116 seguidores     38 seguidores - Club Adiante - Dirixe: Xosé Manuel Lema [Contacto]
Ingenieria Rodríguez

Daniel Lago

Daniel Lago

Nado en Vigo, en 1979.Licenciado em CC. políticas pela USC (1998-2003) especialidade em estudos políticos e relações internacionais.Especialidade Estudos Europeus na Universidade Moderna de Porto.Empresario do sector financeiro e da gestão de riscos e a proteção financeira.Membro do CPN de Compromiso por Galicia 

O único que há que saber para votar

Publicada: 15/06/2016

Aumentar texto Disminuir texto Reiniciar texto
0
0
0

Email Google+ Pinterest Menéame Chuza! Cabozo

Tempo de lectura: 4 minutos e 44 segundos.

Como não pode fazer qualquer coisa, o anuncio do governo da Espanha para indicar como votar outorga uma singeleza extraordinária, para um facto, que no fundo, requer de uma grande abstracção. O único que há que saber para votar é o lugar, a hora, levar o documento de identidade e as cores das “papeletas”.

E é este um dos problemas de uma democracia que excede em “representativa” e é tremendamente deficitária em “participativa”. Uma ampla maioria da população aceita como válida a transferência do seu poder político cara uns representantes, que na maior parte das vezes, nem conhece. O desconhecimento entre representante e representado funciona num vector que desemboca finalmente num dos fenómenos que rematamos por chamar desafeição política.

Uma desafeição, que não é exclusivamente cara a democracia parlamentar liberal, uma das partes do sistema político, é uma desafeição cara um sistema onde os representantes passam a ser produtos e os representados passam a ser votantes-consumidores. Chegamos neste ponto, à conexão ultima da democracia representativa, passamos já à democracia-televisão, achegando-nos com certo parecido, às tele-teias orwellianas que não deixam trasladar mais que uma mensagem pré-fabricada, pré-cozinhada e pré-controlada. Propostas as menos, acusações as mais. Desenho de questionável gosto e escassa qualidade marcam as mensagens políticas dos últimos tempos. Sobre isto, qualquer uma proposta que tente achegar uma relação entre representado e representante que não tenha um modelo televisivo de referencia, tem em principio, bastante a perder.

Não existe um debate sobre ideologias e sobre políticas nos médios mais “mainstream”, não existe uma profundidade sobre temas e desde a democracia-televisão desenham-se os temas de actualidade, os temas de debate e os argumentarios com os que virão a retrucar nas redes sociais; as tabernas do século XXI; uma população mantida em calma e em tranquilidade olhando sempre ao dedo, nunca olhando para a Lúa. O discurso do “achismo” venceu ao discurso das ideologias que definiam aos diferentes grupos e actores que incidiam no sistema político. Nenhum diz o que vai fazer, as políticas que realmente vai implementar. Unicamente é uma política de desenho animado. Uma política de opiniões politicamente correctas e de espectro discursivo unicamente estreito e pré-fixado.

E assim chegamos ao final televisivo que estão a ser estas eleições gerais a Cortes no Reino da Espanha. Vendidas como umas presidenciais, num regime parlamentar onde a circunscrição é a província e o sistema eleitoral proporcional. Longe da realidade jurídico-política na que se celebra a escolha dos e das representantes ao Congresso e ao Senado, a mercadotecnia do discurso político traslada o “achismo” à cidadania, que acha de muito e não quer perceber de nada. Será o único que há que saber para votar?

Se queres podes deixar un comentario sobre esta opinión no Facebook:

Pódeche interesar...

GOODBYE MR. PRESIDENT

Daniel Lago

Neste novo mundo, onde há muitas coisas a mudar, e a mudar rapidamente, temos que podemos defrontar-nos a um novo marco definitório do que é que a guerra é. Umas destas incertezas, destes novos modelos de guerra, provem dos novos modelos de transmissão da informação. A informação é mais do que nunca poder.   A guerra “híbrida”, na que já estamos, tem um campo de batalha que é uma realidade virtual. As redes e a conectividade, lançam ao minuto mensagens, notícias, ficç…

Daniel Lago
Ler máis

Os escritores que triunfan e os críticos que fracasan

Óscar de Souto

Para o común dos mortais hai dúas clases de escritores: os que publican en papel e son recoñecidos e os escritores fracasados, asi de sinxelo, triunfadores e facasados mais para os entendidos na materia son os propios textos os que confirman a valía destes escritores xa que nesta gran farsa que chamamos "nación" dentro dos galardóns máis coñecidos do mundo literario (especialmente os premios con agasallo económico) atopámonos con tremendos churros que algún xurado tivo a gran valentí…

Óscar de Souto
Ler máis

“Façamos de 2017 um ano de Paz"

Daniel Lago

Assim é que começou o primeiro dia de ano o António Guterres. Um secretário geral das Nações Unidas sabedor do mundo em conflito que está por vir. Um mundo em varias ameaças; um mundo sem liderança mundial; um mundo onde retrocedem as democracias liberais; um mundo globalizado que luta pela anti-globalização, e assim por diante. Em 2017 remata, definitivamente, a hegemonia ocidental sobre a ordem internacional.   O sistema internacional, geralmente anárquico, tinha sido submet…

Daniel Lago
Ler máis

Noticias sobre A Costa da Morte, as suas comarcas e os seus concellos: Bergantiños, Soneira, Camariñas, Carballo, Cee, Corcubión, Dumbría, Fisterra, Muxía, Vimianzo, Santa Comba e Zas.
Opinión
OndaHit
Auto Xallas 2017
Mantido S.L. Construcciones y Obras Públicas
Concello da Laracha
Concello de Mazaricos
En breves

Adiante TV

Opinión

GOODBYE MR. PRESIDENT

Daniel Lago

Neste novo mundo, onde há muitas coisas a mudar, e a mudar rapidamente, temos que podemos defrontar-nos a um novo marco definitório do que é que a …

Daniel Lago
Ler máis

Os escritores que triunfan e os críticos que fracasan

Óscar de Souto

Para o común dos mortais hai dúas clases de escritores: os que publican en papel e son recoñecidos e os escritores fracasados, asi de sinxelo, triu…

Óscar de Souto
Ler máis

“Façamos de 2017 um ano de Paz"

Daniel Lago

Assim é que começou o primeiro dia de ano o António Guterres. Um secretário geral das Nações Unidas sabedor do mundo em conflito que está por v…

Daniel Lago
Ler máis

Conversas na Encrucillada

Usamos cookies propias e de terceiros para mostrar publicidade personalizada segundo a súa navegación. Se continua navegando consideramos que acepta o uso de cookies. OK Máis información