3860 fans     1290 seguidores     39 seguidores - Club Adiante - Dirixe: Xosé Manuel Lema [Contacto]

Daniel Lago

Daniel Lago

Nado em Vigo, no 1979. Licenciado em Ciências Políticas pela USC (1998-2003) especialidade em estudos políticos e relações internacionais. Cursou Estudos Europeus na Universidade Moderna de Porto. Empresário do sector financeiro e da gestão de riscos e a protecção financeira. Secretario de programas e estudos políticos da Executiva Nacional de Compromisso por Galiza. Membro do Conselho Nacional e Secretario Local de CxG em Vigo.

O único que há que saber para votar

Publicada: 15/06/2016

Aumentar texto Disminuir texto Reiniciar texto
0
0
0

Email Google+ Pinterest WhatsApp Menéame Chuza! Cabozo

Tempo de lectura: 4 minutos e 44 segundos.

Como não pode fazer qualquer coisa, o anuncio do governo da Espanha para indicar como votar outorga uma singeleza extraordinária, para um facto, que no fundo, requer de uma grande abstracção. O único que há que saber para votar é o lugar, a hora, levar o documento de identidade e as cores das “papeletas”.

E é este um dos problemas de uma democracia que excede em “representativa” e é tremendamente deficitária em “participativa”. Uma ampla maioria da população aceita como válida a transferência do seu poder político cara uns representantes, que na maior parte das vezes, nem conhece. O desconhecimento entre representante e representado funciona num vector que desemboca finalmente num dos fenómenos que rematamos por chamar desafeição política.

Uma desafeição, que não é exclusivamente cara a democracia parlamentar liberal, uma das partes do sistema político, é uma desafeição cara um sistema onde os representantes passam a ser produtos e os representados passam a ser votantes-consumidores. Chegamos neste ponto, à conexão ultima da democracia representativa, passamos já à democracia-televisão, achegando-nos com certo parecido, às tele-teias orwellianas que não deixam trasladar mais que uma mensagem pré-fabricada, pré-cozinhada e pré-controlada. Propostas as menos, acusações as mais. Desenho de questionável gosto e escassa qualidade marcam as mensagens políticas dos últimos tempos. Sobre isto, qualquer uma proposta que tente achegar uma relação entre representado e representante que não tenha um modelo televisivo de referencia, tem em principio, bastante a perder.

Não existe um debate sobre ideologias e sobre políticas nos médios mais “mainstream”, não existe uma profundidade sobre temas e desde a democracia-televisão desenham-se os temas de actualidade, os temas de debate e os argumentarios com os que virão a retrucar nas redes sociais; as tabernas do século XXI; uma população mantida em calma e em tranquilidade olhando sempre ao dedo, nunca olhando para a Lúa. O discurso do “achismo” venceu ao discurso das ideologias que definiam aos diferentes grupos e actores que incidiam no sistema político. Nenhum diz o que vai fazer, as políticas que realmente vai implementar. Unicamente é uma política de desenho animado. Uma política de opiniões politicamente correctas e de espectro discursivo unicamente estreito e pré-fixado.

E assim chegamos ao final televisivo que estão a ser estas eleições gerais a Cortes no Reino da Espanha. Vendidas como umas presidenciais, num regime parlamentar onde a circunscrição é a província e o sistema eleitoral proporcional. Longe da realidade jurídico-política na que se celebra a escolha dos e das representantes ao Congresso e ao Senado, a mercadotecnia do discurso político traslada o “achismo” à cidadania, que acha de muito e não quer perceber de nada. Será o único que há que saber para votar?

Se queres podes deixar un comentario sobre esta opinión no Facebook:

Pódeche interesar...

Fuco Pérez Sen Segundo,veciño de Gargamala

Xosé González Martínez

  Cúmprese este ano  o 55º aniversario da obra de Celso E.Ferreiro “Longa noite de pedra”, publicada en 1962. Un dos poemas que contén o libro titúlase “Romance incompleto” nel o autor relata a xeito de biografía a historia dun veciño da parroquia de Gargamala chamado Fuco Pérez Sen Segundo, posiblemente coetáneo do vate celanovés. O poema foi musicado por moitos cantautores. Nel debúllanse as miserias dun labrego desherdado, explotado, dos que non tiñan onde caer morto. …

Xosé González Martínez
Ler máis

Día da patria galega/Día de Galicia, xornada de pedagoxía galeguizadora

Xosé González Martínez

Presenciei moitas veces a mesma escena, aínda que con distintos protagonistas. Rematada a manifestación para reclarmar  protección gobernamental para o agro galego, ou reivindicar postos de traballo, grupos de manifestantes acuden aos bares levando debaixo do brazo bandeiras e pancartas para celebraren o éxito da convocatoria. Pídenlles aos camareiros viños, vermús, cervexas e  “algo para picar”, sen demandaren que sexan produtos galegos etiquetados na nosa lingua. A escena por frec…

Xosé González Martínez
Ler máis

Saiamos a rua a festejar !! Um novo tratado de livre comércio foi un feito!!!

Daniel Lago

Isso seria a lógica mesma, que deveria de funcionar logo da posta em marcha do JEEPA, o acordo de livre comercio entre a UE e o Japão.   Na contra, não olho as massas sair à rua manifestar a sua postura “contra” do acordo, assim como sim acontece com os tratados de livre comercio com o Canadá ou com EUA. Como sempre, deve ser que os maus não serão realmente os acordos de livre comercio, serão os acordos de livre comercio com os EUA ou com o Canadá. É por isso, que a gente fi…

Daniel Lago
Ler máis

Noticias sobre A Costa da Morte, as suas comarcas e os seus concellos: Bergantiños, Soneira, Camariñas, Carballo, Cee, Corcubión, Dumbría, Fisterra, Muxía, Vimianzo, Santa Comba e Zas.
Opinión
Enova Energia
Festival da Luz Gadis 2017
KNM Abogados
Verán Xalleiro 2017
Costa Artabra
OndaHit
Auto Xallas 2017
Concello da Laracha
Concello de Mazaricos
En breves

Adiante TV

Opinión

Fuco Pérez Sen Segundo,veciño de Gargamala

Xosé González Martínez

  Cúmprese este ano  o 55º aniversario da obra de Celso E.Ferreiro “Longa noite de pedra”, publicada en 1962. Un dos poemas que contén o l…

Xosé González Martínez
Ler máis

Día da patria galega/Día de Galicia, xornada de pedagoxía galeguizadora

Xosé González Martínez

Presenciei moitas veces a mesma escena, aínda que con distintos protagonistas. Rematada a manifestación para reclarmar  protección gobernamental p…

Xosé González Martínez
Ler máis

Saiamos a rua a festejar !! Um novo tratado de livre comércio foi un feito!!!

Daniel Lago

Isso seria a lógica mesma, que deveria de funcionar logo da posta em marcha do JEEPA, o acordo de livre comercio entre a UE e o Japão.   Na c…

Daniel Lago
Ler máis

Conversas na Encrucillada

Usamos cookies propias e de terceiros para mostrar publicidade personalizada segundo a súa navegación. Se continua navegando consideramos que acepta o uso de cookies. OK Máis información