3120 fans     1117 seguidores     38 seguidores - Club Adiante - Dirixe: Xosé Manuel Lema [Contacto]
Ingenieria Rodríguez

Daniel Lago

Daniel Lago

Nado en Vigo, en 1979.Licenciado em CC. políticas pela USC (1998-2003) especialidade em estudos políticos e relações internacionais.Especialidade Estudos Europeus na Universidade Moderna de Porto.Empresario do sector financeiro e da gestão de riscos e a proteção financeira.Membro do CPN de Compromiso por Galicia 

Nostrovia; a democracia será solúvel em vodka?

Publicada: 16/11/2016

Aumentar texto Disminuir texto Reiniciar texto
0
0
0

Email Google+ Pinterest Menéame Chuza! Cabozo

Tempo de lectura: 7 minutos e 54 segundos.

As salas do Kremlin foram uma boa festa, onde seguramente entre vodka e caviar passaram varias horas a celebrar a sua vitoria. Se calhar, algumas garrafas de bom champanhe francês, dessas que lhe regalara uma boa amiga sua, também caíram.

E na velha Europa, entretanto, uma classe política esgotada e uma cidadania vaziada, já adianta uma rota que caminha cara uma extremo-filia, que sempre vai ir disfarçada de anti-europeismo e euro-cepticismo, e que rematará, a pouco que deixemos correr, numa quebra totalitária.

A UE, chegou a um ponto, onde abandonou toda esperança e está a deixar-se ir. A UE está chegando a uma grande parada. Ou quando menos isso é o que está a semelhar e a indicar-se a cada novo dia. A desagregação da UE é uma possibilidade que agradaria em muito ao Putin e aos seus interesses de recuperar o pan-eslavismo. Neste momento, muitos são os indicadores, que insistem, na via da fim da UE como projecto e espaço de democracia e segurança comum para os europeus. Uma UE muito mais fraca e muito mais frágil. Uma Rússia e uma China a vascular o modelo económico e social de globalização cara o seu modelo.

Hoje já é possível, se Moscovo acreditar, uma operação militar nas fronteiras da Rússia com os estados bálticos, na fim de assegurar o seu controlo sobre o subministro energético, por um exemplo, e que esta não enfrentará a oposição norte-americana. O Putin não terá travão para estabelecer uma esfera de influência russa muito mais perto da Alemanha, ao tempo que sinalizaria, de facto, o papel da NATO como o brinquedo roto do Trump.

Nesta viragem pan-eslavista do espaço da Europa oriental, a Bulgária e a Moldávia vêem de escolher o caminho que guia cara Moscovo directamente. Na Turquia já assinalaram claramente a sua vontade de deixar de lado qualquer achegamento para a UE, e o Erdogan, num acordo com o partido da extrema-direita, está a meter novamente na agenda política a implantação da pena de morte e a caminhar, sem máscara, por uma deriva fascista.

E desde o interior da mesma UE, tampouco é que os indicadores sejam melhores. Na Itália o Beppe Grilo, do “M5S” ante a vitoria do Trump mandou-lhe um aturuxo em forma de “vaffanculo” ao “establisment”. Na França, Le Pen, da FN, pode chegar a ser a Presidenta da República francesa, crescida ante o efeito anti-política do Donald Trump nos EUA e a sua volta sobre as sociedades ocidentais europeias.

O medo, com certeza o medo está a agir E a cólera, com certeza a cólera está a agir. É o efeito anti-política, anti-partidos, anti-políticos. O discurso do medo e da cólera já cristalizou finalmente nas sociedades democráticas avançadas ocidentais, na ultra-esquerda e na ultra-direita. A crise de desafeição da cidadania elevou, finalmente, num reflexo na vontade colectiva de caminhar para um mundo de marca autocrática e profundamente anti-político.

A “guerra híbrida” entre a UE e a Rússia, no que a Federação Russa procura um debilitamento da UE como actor na ordem internacional, está a ter sucesso para os interesses do Putin. A guerra híbrida, com batalhas na Crimeia e por alongamento na Ucrânia; ou na Síria e o Norte de África; ou na Georgia ou na Armenia, ou no Curdistão; agora já alarga, finalmente, no interior dos regimes democráticos ocidentais europeus. Nesta guerra, a fortaleça russa é precisamente a sua falta de democracia interna. O Putin instaurou-se no discurso de “fazer Russia grande outra vez”; não sei se é conhecido o “slogan”?

O financiamento russo dos partidos políticos da extrema-direita e anti-europeístas está a ter, por fim, reflexo, no seu mais do que provável, sucesso eleitoral. O UKIP, capitalizando o “Brexit”, já começou esse trabalho, dando o primeiro passo para esfarelar a UE e deixar a Rússia como dona do tabuleiro. Seguramente estamos diante do maior avanço democrático de partidos políticos anti-democráticos: xenófobos, chauvinistas,.. desde a auge na fim dos anos ´20 do século passado, dos totalitarismos, como a Hannah Arendt gosta de chamar.

A volta à nação-estado, que propõem muitas forças políticas europeias, uma volta à soberania no sentido clássico, é a volta a um nível de poder que não pode defrontar estes novos reptos globais. A saída da UE, na mesma, tampouco parece uma via viável para o mantimento dos equilíbrios actuais, tanto económicos, como políticos no sistema internacional. “Resetear” a UE, esse tem que ser o caminho, sabendo dos perigos que temos fora e da guerra que estamos lutando.

Pois o dito!! nostrovia!!

Se queres podes deixar un comentario sobre esta opinión no Facebook:

Pódeche interesar...

GOODBYE MR. PRESIDENT

Daniel Lago

Neste novo mundo, onde há muitas coisas a mudar, e a mudar rapidamente, temos que podemos defrontar-nos a um novo marco definitório do que é que a guerra é. Umas destas incertezas, destes novos modelos de guerra, provem dos novos modelos de transmissão da informação. A informação é mais do que nunca poder.   A guerra “híbrida”, na que já estamos, tem um campo de batalha que é uma realidade virtual. As redes e a conectividade, lançam ao minuto mensagens, notícias, ficç…

Daniel Lago
Ler máis

Os escritores que triunfan e os críticos que fracasan

Óscar de Souto

Para o común dos mortais hai dúas clases de escritores: os que publican en papel e son recoñecidos e os escritores fracasados, asi de sinxelo, triunfadores e facasados mais para os entendidos na materia son os propios textos os que confirman a valía destes escritores xa que nesta gran farsa que chamamos "nación" dentro dos galardóns máis coñecidos do mundo literario (especialmente os premios con agasallo económico) atopámonos con tremendos churros que algún xurado tivo a gran valentí…

Óscar de Souto
Ler máis

“Façamos de 2017 um ano de Paz"

Daniel Lago

Assim é que começou o primeiro dia de ano o António Guterres. Um secretário geral das Nações Unidas sabedor do mundo em conflito que está por vir. Um mundo em varias ameaças; um mundo sem liderança mundial; um mundo onde retrocedem as democracias liberais; um mundo globalizado que luta pela anti-globalização, e assim por diante. Em 2017 remata, definitivamente, a hegemonia ocidental sobre a ordem internacional.   O sistema internacional, geralmente anárquico, tinha sido submet…

Daniel Lago
Ler máis

Noticias sobre A Costa da Morte, as suas comarcas e os seus concellos: Bergantiños, Soneira, Camariñas, Carballo, Cee, Corcubión, Dumbría, Fisterra, Muxía, Vimianzo, Santa Comba e Zas.
Opinión
OndaHit
Liga Fútbol Sala Santa Comba
Auto Xallas 2017
Mantido S.L. Construcciones y Obras Públicas
Concello de Dumbría
Concello de Mazaricos
En breves

Adiante TV

Opinión

GOODBYE MR. PRESIDENT

Daniel Lago

Neste novo mundo, onde há muitas coisas a mudar, e a mudar rapidamente, temos que podemos defrontar-nos a um novo marco definitório do que é que a …

Daniel Lago
Ler máis

Os escritores que triunfan e os críticos que fracasan

Óscar de Souto

Para o común dos mortais hai dúas clases de escritores: os que publican en papel e son recoñecidos e os escritores fracasados, asi de sinxelo, triu…

Óscar de Souto
Ler máis

“Façamos de 2017 um ano de Paz"

Daniel Lago

Assim é que começou o primeiro dia de ano o António Guterres. Um secretário geral das Nações Unidas sabedor do mundo em conflito que está por v…

Daniel Lago
Ler máis

Conversas na Encrucillada

Usamos cookies propias e de terceiros para mostrar publicidade personalizada segundo a súa navegación. Se continua navegando consideramos que acepta o uso de cookies. OK Máis información