4175 fans     1339 seguidores     39 seguidores - Club Adiante - Dirixe: Xosé Manuel Lema [Contacto]
Ingenieria Rodríguez

Daniel Lago

Daniel Lago

Nado em Vigo, no 1979. Licenciado em Ciências Políticas pela USC (1998-2003) especialidade em estudos políticos e relações internacionais. Cursou Estudos Europeus na Universidade Moderna de Porto. Empresário do sector financeiro e da gestão de riscos e a protecção financeira. Secretario de programas e estudos políticos da Executiva Nacional de Compromisso por Galiza. Membro do Conselho Nacional e Secretario Local de CxG em Vigo.

"A UE cara o colapso:Juntos da mão cara a extinção"

Publicada: 13/07/2016

Aumentar texto Disminuir texto Reiniciar texto
0
0
0

Email Google+ Pinterest WhatsApp Menéame Chuza! Cabozo

Tempo de lectura: 7 minutos e 33 segundos.

 Tenho eu tendência a olhar cara o mundo e onde a maior parte acha unicamente problemas, eu tento olhar oportunidades. Assim ante todos os problemas que o Brexit poderia trazer para o sucesso da UE, temos que resolver como aproveitar-nos para virar as políticas da UE e a suas estruturas tecnocráticas e burocráticas, cara uma UE mais pós-moderna, que achegando sempre os princípios da democracia e do respeito às minorias, leve, num longo prazo a uma nova configuração do mapa político da velha Europa, junto com um novo modelo sustentável de economia.

O primeiro, a reorganização do mapa político, logicamente “per se”, não é nada significativo: nem positivo, nem negativo, num principio. Se bem, num contexto de aparição de uma nova ordem mundial, fruto dum novo modelo de capitalismo, já basicamente financeiro, certamente à UE tocar-lhe-ia mexer alguma das suas estruturas para afrontar os novos reptos e as novas metas aos que estamos a enfrentar. Estes novos reptos, requerem desde já, um novo cenário que parte de umas novas realidades. Porem, um dos problemas nos que está a cair a UE, está na maneira de reagir, ante estas novas realidades, por parte de uma grande parte das nossas sociedades. A Europa volta politicamente a viver do medo e da cólera no discurso político.

O medo face os emigrantes e centrado num objectivo definitório na figura dos refugiados que fogem da guerra e do terrorismo do ISIS, mobilizou uma grande parte de gente no lado do Brexit. Um medo emocional e alongado dentro de um discurso abertamente xenófobo e nacional-patriótico de estadonação bismarquiano, onde os cidadãos são “súbditos” e procuram no estado, unicamente, uma protecção de tipo feudal. A cólera face as políticas “neo-con” que lideram na UE durante os últimos 25 anos, que empobrecem às classes medias, com um reflexo culpável nas políticas de controlo do défice e com um objectivo definitório na figura da “Troika”, também mobilizou a uma grande parte de gente no mesmo lado do Brexit. Uma maneira de reagir colérica, num discurso de volta a uma situação anterior à crise do estado de bem-estar, na base de uma volta a uma economia autárquica e a elementos de soberania “nacional”, também de origem no estado bismarquiano, e que oferecem uma nova base para a recreação do novo estado policia.

As novas metas, no espaço da UE, estarão em seguir mantendo e alongando um espaço, único no mundo, de protecção social e de liberdades para a cidadania europeia. Uma meta que tem que contar com um novo discurso económico, já que o actual colide claramente com o mantimento e alargamento do espaço de bemestar e de criação de riqueza no que viveram as sociedades europeias nos últimos 50 anos. Um espaço de seguridade e paz, dentro de um mundo com múltiplas ameaças globais que vão desde o climático até o militar, e onde as guerras hoje são híbridas e jogam em vários vectores: desde a confrontação da opinião pública, aos ataques cibernautas, à guerra económica ou à guerra energética. Umas metas de cada vez mais longínquas, numa UE em processo de colapso estrutural e na fim dum ciclo histórico. Uma UE que sofre múltiplos ataques tanto internos como externos.

Ataques que procuram uma viragem cara o Este dos núcleos de poder mundial num novo eixo principal cara a China e a Rússia. Desde os conflitos militares na Ucrânia, na Líbia ou na Síria, os mais deles resultado das revoluções políticas de “cores” em começo do S. XXI; até a auge de partidos declaradamente euro-cepticistas e de marcada mensagem populista no seio da UE, os mais deles com conexões directas ou “amores” políticos e económicos com a Rússia; todos os indicadores levam à necessidade de criar e adoptar um novo rumo, se realmente, entendemos que a UE, é algo positivo e necessário num mundo de cada vez, mais complexo e global; e que de cada vez, mexe mais na ambiguidade e na falha de certidão.

A partir do Brexit, temos por diante uma oportunidade de tomar umas novas políticas na UE. No seu seio, afrontando com novas respostas à crise fiscal e à crise demográfica dos seus membros; e no externo;, apostando por uma aliança para os reptos globais de sustentabilidade e de ordem militar que parece que o mundo, de aqui em 30 anos, vai a defrontar. 

Se queres podes deixar un comentario sobre esta opinión no Facebook:

Pódeche interesar...

Máximas desculpas Portugal

Daniel Lago

A solidariedade para com todas as famílias das vitimas e desde a minha cativa posição, exponho as minhas máximas desculpas, no nome dos bons e generosos, por ter culpado o nosso presidente a Portugal dos lumes na Galiza.   Vou ser tremendamente descarnado desta volta. Vou ser direto e sem voltas retóricas: é insultar de maneira nojenta a confeção do relato que sobre a vaga de lumes florestais o Presidente da Junta da Galiza tem feito neste domingo passado. Um relato cheio de menti…

Daniel Lago
Ler máis

Mulleres e rural

Natalia Lema Otero

Capital, terra e traballo. Eses son os tres piares fundamentais para levar a cabo calquera actividade económica. Sen embargo no factor do traballo non se valorou sempre indistintamente a labor do home e máis da muller. As amas de casa do século pasado, as nosas ascendentes, eran as que levaban aquelas pesadas leiteiras durante quilómetros para a súa venda. Eran esas mesmas mulleres as que ían ás feiras vender ovos, un ben tan prezado por aquel  entón.  E logo, a Historia, ese desv…

Natalia Lema Otero
Ler máis

A memoria da lingua na paisaxe

Xosé González Martínez

A paisaxe galega atesoura unha rica memoria cultural e lingüística que definíu ao pobo que a habita. Cada anaco da súa terra: montañas e serras, fragas, soutos, carballeiras, ríos e rías, lameiros e veigas son escenarios con cadaseu nome, e todos eles evocadores do imaxinario popular. De aí que os seus habitantes mantivesen unha forte unión entre a lingua e a paisaxe; entre a cultura e os espazos xeográficos aos  lles foi poñendo nomes para identificalos, alusivos ás súas peculiari…

Xosé González Martínez
Ler máis

Noticias sobre A Costa da Morte, as suas comarcas e os seus concellos: Bergantiños, Soneira, Camariñas, Carballo, Cee, Corcubión, Dumbría, Fisterra, Muxía, Vimianzo, Santa Comba e Zas.
Opinión
Enova Energia
RiXallas 2017
Concello de Dumbría
Concello de Mazaricos
Concello de Neda
El candidato ganador: Cómo organizar campañas electorales para ganar unas elecciones (Marketing Político)
OndaHit
En breves

Adiante TV

Opinión

Máximas desculpas Portugal

Daniel Lago

A solidariedade para com todas as famílias das vitimas e desde a minha cativa posição, exponho as minhas máximas desculpas, no nome dos bons e gen…

Daniel Lago
Ler máis

Mulleres e rural

Natalia Lema Otero

Capital, terra e traballo. Eses son os tres piares fundamentais para levar a cabo calquera actividade económica. Sen embargo no factor do traballo no…

Natalia Lema Otero
Ler máis

A memoria da lingua na paisaxe

Xosé González Martínez

A paisaxe galega atesoura unha rica memoria cultural e lingüística que definíu ao pobo que a habita. Cada anaco da súa terra: montañas e serras, …

Xosé González Martínez
Ler máis

Conversas na Encrucillada

Usamos cookies propias e de terceiros para mostrar publicidade personalizada segundo a súa navegación. Se continua navegando consideramos que acepta o uso de cookies. OK Máis información