3128 fans     1119 seguidores     38 seguidores - Club Adiante - Dirixe: Xosé Manuel Lema [Contacto]
Ingenieria Rodríguez

Daniel Lago

Daniel Lago

Nado en Vigo, en 1979.Licenciado em CC. políticas pela USC (1998-2003) especialidade em estudos políticos e relações internacionais.Especialidade Estudos Europeus na Universidade Moderna de Porto.Empresario do sector financeiro e da gestão de riscos e a proteção financeira.Membro do CPN de Compromiso por Galicia 

Á terceira Mariano, irá a vencida, ou naõ

Publicada: 30/06/2016

Aumentar texto Disminuir texto Reiniciar texto
0
0
0

Email Google+ Pinterest Menéame Chuza! Cabozo

Tempo de lectura: 7 minutos e 36 segundos.

O domingo 26 de Junho de 2016 o panorama político das Cortes Gerais do Reino da Espanha virou cara a uma configuração com um maior apoio ao partido maioritário. Um apoio que é insuficiente para a formação de um governo de aliança durável e estável no tempo que deveria durar a legislatura. É insuficiente, já que o PP, partido que tem o maior número de votos e de deputados, não pode conformarem uma maioria que aprove leis e tire para adiante uns pressupostos gerais do estado.

A política de pactos, da que sim soube tirar proveito na primeira legislatura de Aznar, a dia de hoje, está quebrada, ele mesmo é que foi ailhando-se dentro do espectro político. Unicamente poderia chegar a ter o apoio de C´s, que como partido com vocação e discurso claramente constitucionalista é o único em condições de chegar a um pacto de governo. Ora bem, sempre e quando Rajoy abandone o tabuleiro. O PP não vai sacrificarem ao seu “Rei” para deixar no tabuleiro unicamente à “Reina”. O xeque-mate a Rajoy que querem jogar desde C´s não é factível, com certeza, já que deixaria ao PP sujeito totalmente a qualquer um dos propósitos dos de Rivera. 

Além do mais, temos um panorama onde este pacto PP+C´s precisa de uma terceira pata que segundo apontam os mass-média sistémicos tem que ser, principalmente, o EAJ-PNV com os seus actuais 5 deputados. È neste ponto, onde a chave da Moncloa recai novamente numa força política das chamadas “periféricas”. Uma força que andou desaparecida das mensagens oficiais na campanha eleitoral e que agora é chamada a resgatar e a encaminhar ao “stablisment” do estado. Para isto, já tem concedido mais eco e ressonância à sua mensagem e à sua própria existência, nestes dias pos-eleitorais, que em toda a campanha eleitoral. Folga dizer, que os abertzales jogam neste outono na casa. E isso é o que entendem como o seu habitat próprio.

As eleições da Comunidade Autónoma do País Basco, marcam o futuro da coligação de governo no Reino da Espanha e inabilitam esse caminho. Sobre um discurso centralizador e de construção de nacionalismo financeiro do BOE não pode chegar o acordo. Além do factor de temporalidade ante a proximidade das eleições bascas, somamos também que a sua mensagem política, não coincide com a versão oficial da construção do discurso maioritário político da actualidade. O caso é que esta gente não fala de dietas de alcachofras, nem de basear o modelo económico nas orquestras Panorama ou Paris de Noia.

O caso, resulta no final, numa luta política e social, entre o modelo de capitalismo financeiro de concentração de capitais e meramente especulativo e extractivo no que transitam os partidos políticos de PP e C´s e sobre os que estes constroem um modelo de Espanha, representado finalmente, na centralidade da Fortaleça-Nação situada em Madrid. Isto confronta a um outro modelo político e económico; o daqueles que temos uma versão mais pós-moderna do conceito de nação-estado; de cada vez mais afastada do modelo nascido de Westfalia; com a assunção de estruturas de distribuição e partilha dos elementos da soberania, hoje já num complexo jurídico e institucional que prescinde em muito desses elementos. Ao tempo, juntamente a este modelo de construção de novas realidades políticas, no económico parte de um modelo de capitalismo muito mais próximo ao Renano e caminha cara uma economia enxertada já no quarto sector e nos novos modelos produtivos de economia sustentável e de economia do conhecimento. 

Que pretendo dizer com tudo isto no fundo. Pois, que o afundamento no modelo económico próximo aos “neo-con” do PP e de C´s; na hipótese de ter sucesso; colide com um outro, que apoia em muito, em incentivar politicamente um forte tecido industrial com altíssimos índices de inovação e numas sólidas e duradoiras políticas sociais e de redistribuição da riqueza, ademais de achegar modelos de pós-modernidade como o feminismo ou o ambientalismo a essas sociedades. Note-se que não falo nem em discursos atávicos, nem telúricos, para explicar a improbabilidade de um acordo neste sentido. Note-se que vamos ir, mais do que provavelmente, a umas novas eleições a Cortes Gerais, onde; desta vez sim; o modelo de capitalismo financeiro “capitalino” terá um apoio eleitoral suficiente se a soberania popular assim o representa, ou não.

Se queres podes deixar un comentario sobre esta opinión no Facebook:

Pódeche interesar...

Un novo modelo de empresa?

Natalia Lema Otero

Din os expertos ou mesmo os tecnócratas máis asentados neste eido que nos encontramos ante unha revolución tecnolóxica. Quizais ese sexa o noso porvir, as xestións e os servizos empezan a facerse por vía telemática e, tal vez, o único que nos falta é implantar este modelo adaptado á empresa. A actividade económica que nos xere beneficios necesita unha renovación posicionada cara os novos tempos, á venta online debería ser o primeiro paso. Todo isto debería ir ligado ao market…

Natalia Lema Otero
Ler máis

Poca sabiduría

Nacho Louro

Hay un refrán que solemos mentar y utilizar a menudo para expresar que cuando cometemos un  error, siempre existe una oportunidad para enmendarlo; “rectificar es de sabios”. Cuando el tiempo nos ofrece la posibilidad de corregir nuestra equivocación, pero somos incapaces de hacerlo, bien porque nuestra sesera no da para más, o bien porque a sabiendas persistimos en nuestro error movidos por un espíritu revanchista, nos convertimos irremediablemente en inútiles o torpes, o lo que es peo…

Nacho Louro
Ler máis

A COVA DE ALÍ-BABA

Daniel Lago

Pois está a coisa a ser bem curiosa. O frio siberiano, por uma deslocação do vórtice polar, mais ao sul do que vem sendo normal, tem a Europa toda alagada em temperaturas muito por debaixo dos zero graus Celsius. Não é facto casual, mas a invernia sempre resultou numa ajuda para os russos.    Neste gélido paisagem, o “trumpismo” começa a repartir doutrina aquém e além do mundo. Estes dias já está o seu representante em Davos, ao igual que o Xi Jinping; convidado pela vez …

Daniel Lago
Ler máis

Noticias sobre A Costa da Morte, as suas comarcas e os seus concellos: Bergantiños, Soneira, Camariñas, Carballo, Cee, Corcubión, Dumbría, Fisterra, Muxía, Vimianzo, Santa Comba e Zas.
Opinión
OndaHit
Liga Fútbol Sala Santa Comba
Auto Xallas 2017
Mantido S.L. Construcciones y Obras Públicas
Concello de Dumbría
Concello de Mazaricos
En breves

Adiante TV

Opinión

Un novo modelo de empresa?

Natalia Lema Otero

Din os expertos ou mesmo os tecnócratas máis asentados neste eido que nos encontramos ante unha revolución tecnolóxica. Quizais ese sexa o noso po…

Natalia Lema Otero
Ler máis

Poca sabiduría

Nacho Louro

Hay un refrán que solemos mentar y utilizar a menudo para expresar que cuando cometemos un  error, siempre existe una oportunidad para enmendarlo; …

Nacho Louro
Ler máis

A COVA DE ALÍ-BABA

Daniel Lago

Pois está a coisa a ser bem curiosa. O frio siberiano, por uma deslocação do vórtice polar, mais ao sul do que vem sendo normal, tem a Europa toda…

Daniel Lago
Ler máis

Conversas na Encrucillada

Usamos cookies propias e de terceiros para mostrar publicidade personalizada segundo a súa navegación. Se continua navegando consideramos que acepta o uso de cookies. OK Máis información