4392 fans     1355 seguidores     39 seguidores - Club Adiante - Dirixe: Xosé Manuel Lema [Contacto]
Ingenieria Rodríguez

Daniel Lago

Daniel Lago

Nado em Vigo, no 1979. Licenciado em Ciências Políticas pela USC (1998-2003) especialidade em estudos políticos e relações internacionais. Cursou Estudos Europeus na Universidade Moderna de Porto. Empresário do sector financeiro e da gestão de riscos e a protecção financeira. Secretario de programas e estudos políticos da Executiva Nacional de Compromisso por Galiza. Membro do Conselho Nacional e Secretario Local de CxG em Vigo.

A "Sardinhocracia"

Publicada: 13/11/2017

Aumentar texto Disminuir texto Reiniciar texto
10
0
0

Email Google+ Pinterest WhatsApp Menéame Chuza! Cabozo

Tempo de lectura: 6 minutos e 2 segundos.

O termo é prestado, mas é alguma coisa que já existiu na realidade do nosso País. De facto, a tal  chamada “sardinhocracia” tem muito a ver com o inicio do processo de industrialização e urbanização vivido na Galiza e no carácter fundamente cosmopolita que a nossa sociedade; quando menos até os começos do século XXI tinha; já que de cada vez parece abandonar mais este que foi um dos nossos grandes valores como comunidade imaginada. Hoje em dia, com o relato imperativo – já não imperante – sobre o coiso que está a se passar na Catalunha; sim, esse coiso, não essa coisa, efetivamente; seria impossível de acontecer novamente esta realidade cosmopolita. 

Adorei ouvir falar da “sardinhocracia”. Os Massó, Curbera, Puig, Barreras, del Pont, todas gentes de procedência mediterrânica atracaram com a sua industria nesta parte do Atlântico. Umas gentes que já chegavam com os engenhos e as novas técnicas do “take-off” do capitalismo de fins do século XVIII que apareciam pela Europa adiante e da que nos lembrariam, embora for sem quiser, que formávamos também nós parte dela. Assim foi que começou o primeiro desenvolvimento empresarial do capitalismo no nosso País na industria da conserva e que trouxe com ele a chegada da modernidade. Apareceram novas visões culturais neste cambio social próprio do tempo no que deixamos para atrás o Antigo Regime e intentamos chegar a esta contemporaneidade. 

Muitas destas empresas tiveram grande sucesso levando a muitas das famílias proprietárias a acumular uma grande riqueza.Nascia a “sardinhocracia”, grandes capitais e grandes empresas que deram uma nova configuração para a nossa sociedade e a nossa economia, que podemos dizer que começa juntamente com este processo a sua globalização no daquela todavia primitivo sistema-mundo. 

E começava falando eu em que este processo seria impossível de repetir a dia de hoje, nesta atualidade onde as formas de xenofobia e racismo enfiam uma realidade insultante para um mundo, por exemplo, o de 1860 onde a permeabilidade das inexistentes fronteiras – na altura não estavam marcadas entre os reinos das Espanhas e o Reino Unido de Portugal, os Algarves e o Brasil – e onde eram habituais os casamentos entre galegos de aquém e portugueses de além ou as gentes da Andaluzia e as gentes dos Algarves, por falar numa dessas realidades sociais que ficaria limitada posteriormente durante mais de um século. 

Este volver do nacionalismo xenófobo e supremacista que invade o relato desde a ultra-direita, para já em uma grande parte da Europa, é uma consequência mesma do desafio que a UE não está a enfiar de um modo ajeitado. Desde a crise dos refugiados à crise do Brexit, passando por uma anterior crise financeira e bancaria que deixou a descoberto a face mais tecnocrática da união. De seguir no caminho de afastar mais e mais a ideia da Europa dos povos e do piar social da agenda 2020, temos por diante um grande fracasso político que poderia significar a queda do próprio projeto da UE, uma hipótese que já cada vez torna mais potente.

Estamos a coisar qualquer coisa que pode derivar num coiso impossível de travar e onde o relato da democracia já não inclui mais que a vontade unívoca da maioria, vamos caminho a essa ditadura das maiorias. 

Com todo este coiso, que já parece qualquer coisa, temos por diante um modelo de relato profusamente espalhado nos médios de comunicação maciça onde as fronteiras internas e também as externas têm um futuro seguro e duradoiro entre nós. Qualquer coisa que não for este coiso, será feito patê de sardinha. 

Se queres podes deixar un comentario sobre esta opinión no Facebook:

Pódeche interesar...

Isabel a porca ou Isabel la Católica

Daniel Lago

O vírus do nacionalismo, o veneno do nacionalismo,.. e assim por diante com muita, mais ou menos boa intenção, muita da mídia tem já por costume falarem do fenómeno político que significa o nacionalismo, como uma única ideia e como uma única opção de fazer políticas.    E resulta quando menos curioso. Eu também falo muitas das vezes dos males do nacionalismo que estão a encher muito do discurso político nestes últimos tempos numa onda mundial de neo-tradicionalismo. Faço…

Daniel Lago
Ler máis

Ceas de empresa, tamén en galego

Xosé González Martínez

Chega o tempo das ceas de empresa como limiar das festas do nadal. As expectativas de negocio para os restaurantes seica van ser óptimas. Non é de estrañar porque celebraranse por milleiros. Nelas o ambiente de camaradería  irá acompañado de bos pratos, viños e licores. É unha boa ocasión para que os encargados de organizalas  poñan a proba o seu criterio e o sentido común na escolla dos menús. Dicimos bo criterio porque as máis das veces, por non afirmar que sempre, non se r…

Xosé González Martínez
Ler máis

Patriotismo de pacotilla

Xosé Abelenda

Nunca tanto se escoitou falar da constitución como nestes últimos días. Unha España corrompida, antes que rompida. No estado español temos un partido político que se di defensor da santa constitución e da legalidade, mais cando se trata de pagar a sede en B, de financiarse ilegalmente, non importa tanto a ilegalidade ou a falla de ética total. Co tema de Cataluña, xa non importa se a precariedade laboral está en auxe, se emigramos coma nunca, se os postos novos de traballo son pun…

Xosé Abelenda
Ler máis

Noticias sobre A Costa da Morte, as suas comarcas e os seus concellos: Bergantiños, Soneira, Camariñas, Carballo, Cee, Corcubión, Dumbría, Fisterra, Muxía, Vimianzo, Santa Comba e Zas.
Opinión
III Ciclo Teatro Santa Comba 2017
Semana Gandeira Mazaricos 2017
Navidad Gadis 2017
Enova Energia
CMAT
Concello da Laracha
Centro de Ortodoncia e Implantologia Dr. J.M. Pose Rodríguez
Concello de Mazaricos
Concello de Neda
El candidato ganador: Cómo organizar campañas electorales para ganar unas elecciones (Marketing Político)
OndaHit
En breves

Adiante TV

Opinión

Isabel a porca ou Isabel la Católica

Daniel Lago

O vírus do nacionalismo, o veneno do nacionalismo,.. e assim por diante com muita, mais ou menos boa intenção, muita da mídia tem já por costume …

Daniel Lago
Ler máis

Ceas de empresa, tamén en galego

Xosé González Martínez

Chega o tempo das ceas de empresa como limiar das festas do nadal. As expectativas de negocio para os restaurantes seica van ser óptimas. Non é de e…

Xosé González Martínez
Ler máis

Patriotismo de pacotilla

Xosé Abelenda

Nunca tanto se escoitou falar da constitución como nestes últimos días. Unha España corrompida, antes que rompida. No estado español temos un par…

Xosé Abelenda
Ler máis

Conversas na Encrucillada

Usamos cookies propias e de terceiros para mostrar publicidade personalizada segundo a súa navegación. Se continua navegando consideramos que acepta o uso de cookies. OK Máis información