4206 fans     1344 seguidores     39 seguidores - Club Adiante - Dirixe: Xosé Manuel Lema [Contacto]
Ingenieria Rodríguez

Daniel Lago

Daniel Lago

Nado em Vigo, no 1979. Licenciado em Ciências Políticas pela USC (1998-2003) especialidade em estudos políticos e relações internacionais. Cursou Estudos Europeus na Universidade Moderna de Porto. Empresário do sector financeiro e da gestão de riscos e a protecção financeira. Secretario de programas e estudos políticos da Executiva Nacional de Compromisso por Galiza. Membro do Conselho Nacional e Secretario Local de CxG em Vigo.

A mentirocracia, a próxima paragem de autocarro

Publicada: 20/04/2017

Aumentar texto Disminuir texto Reiniciar texto
11
0
0

Email Google+ Pinterest WhatsApp Menéame Chuza! Cabozo

Tempo de lectura: 6 minutos e 17 segundos.

Alguém, no seu sano juízo, falava em que a democracia unicamente poderia sobreviver com certo grau de verdade. Porém, hoje vivemos, segundo falam os mais, na época da pós-verdade. 

Nesta nova época, a informação é múltipla, quase cada uma das pessoas nas redes sociais é um redator de noticias. Um redator que serve-se do seu “status” de anonimato para construir o seu relato da realidade, e nas mais das vezes, porém sem aplicar nada parecido ao método científico ao seu discurso.

Neste mundo tentamos amoldar a realidade aos nossos prejuízos e aos nossos instintos mais básicos, pegando na barriga e nas tripas o ponto de observação. Agora no âmbito da análise política é onde mais existem afirmações sem provas.

Todo está perto da subjetividade e das crenças, da construção ideológica do relato que descreve a realidade. Assim, deste modo, chegamos a uma explicação que não é mais do que uma enumeração de probabilidades e de opiniões e que não tem outro objetivo, no curto prazo, que ter que inclinar a tendência eleitoral da maioria.

Nestas, a dimensão mediática trespassa o plano da informação e geralmente fica na literatura da confrontação ideológica, que passa a ser eleitoral, afastando a reflexão e o pensamento, da observação dos factos da realidade.

E acontece por todo o mundo civilizado, nos EUA o Trump fala de um atentado terrorista na Suécia, que até aquele momento não tinha acontecido. No Reino da Espanha olhamos indemnizações por “despidos em diferido”. A guerra “híbrida” utiliza toda esta nova realidade da época da pós-verdade, para defrontar partes de guerra contraditórios e que fluem a uma altíssima velocidade pelas redes; a través de “chios” e de “agências de informação”. Sobre a situação política  de Venezuela, a guerra da Síria ou a realidade social da Coreia do Norte; a manipulação e a propaganda; infestam as redes sociais e os mídia: tanto a favor coma em contra. As revoltas de cores nos países árabes, a revolução laranja na Ucrânia,... todo é afastado da ótica dos factos e submetido à ordem do mito, do religioso e em definitiva, do dogma. A propaganda destruí a realidade múltipla, cria uma nova em versão única e submete a mesma ao slogan 

Os controles dos estados sobre a Internet; a proibição do Google, do Facebook, do Twitter,.. formam parte deste domínio da propaganda a través da censura e a desinformação.  

 Estamos ante uma guerra de propaganda, mas onde as suas origens são sempre duvidosas e a fim da mesma, no vetor mais agudo, é unicamente derrubar e subverter qualquer realidade. Passamos assim, entre a mentira mais severamente transmitida e a deturpação ideológica, a um plano onde a ocultação da realidade é prioritária para fazer-se com um bando da sociedade. Tanto no nível interno das sociedades estatais, tanto na escala internacional, as sociedades traduzimos realidades e factos, em discursos meramente ideológicos, 

Um dos fatores que leva à queda da democracia é a circulação incorreta da informação, coisa que estamos a viver com muita intensidade ultimamente. A informação falsa, as chamadas “fake news” tornam realidade de maneira irracional na ordem das coisas, afastando definitivamente à racionalidade e ao método científico da esfera de análise pública.

Na fim, rematamos votando também com as tripas, com a barriga, e assim ascendem formas políticas profundamente anti-democráticas no seu apelo; na sua discursiva; do cérebro mais réptil da nossa humanidade. 

Se queres podes deixar un comentario sobre esta opinión no Facebook:

Pódeche interesar...

China,más Comunismo para perpetuar el Capitalismo

José Manuel Palacín Y Rodríguez

Estos días asistimos al XIX Congreso del Partido Comunista chino, o sea, que se están celebrando las elecciones a la Presidencia del Gobierno, con designación colegiada de los gerifaltes del mandarinismo del siglo XXI; del mismo modo se están trazando las directrices de las futuras políticas socioeconómicas y decidiendo las cuotas de poder de las diferentes facciones.    El “reelegido” es Xi Jinping, o sea, el que tiene mayor influencia en los reducidos círculos de poder. Este…

José Manuel Palacín Y Rodríguez
Ler máis

Incendios y oportunistas

Nacho Louro

Sin lugar a dudas lo más triste de esta tragedia medioambiental, es la pérdida de cuatro vidas humanas. Los terroristas ecológicos han sabido aprovechar muy bien las condiciones climatológicas adversas para causar el mayor daño posible. Buscaron el momento propicio aprovechando los efectos del huracán Ophelia. Vientos fuertes de 80-100 km/h, altas temperaturas que en algunos lugares alcanzaban los 30º, una sequía prolongada en el tiempo, baja humedad en el suelo y en el aire, y una activ…

Nacho Louro
Ler máis

Máximas desculpas Portugal

Daniel Lago

A solidariedade para com todas as famílias das vitimas e desde a minha cativa posição, exponho as minhas máximas desculpas, no nome dos bons e generosos, por ter culpado o nosso presidente a Portugal dos lumes na Galiza.   Vou ser tremendamente descarnado desta volta. Vou ser direto e sem voltas retóricas: é insultar de maneira nojenta a confeção do relato que sobre a vaga de lumes florestais o Presidente da Junta da Galiza tem feito neste domingo passado. Um relato cheio de menti…

Daniel Lago
Ler máis

Noticias sobre A Costa da Morte, as suas comarcas e os seus concellos: Bergantiños, Soneira, Camariñas, Carballo, Cee, Corcubión, Dumbría, Fisterra, Muxía, Vimianzo, Santa Comba e Zas.
Opinión
Enova Energia
CMAT
Concello da Laracha
Concello de Mazaricos
Concello de Neda
El candidato ganador: Cómo organizar campañas electorales para ganar unas elecciones (Marketing Político)
OndaHit
En breves

Adiante TV

Opinión

China,más Comunismo para perpetuar el Capitalismo

José Manuel Palacín Y Rodríguez

Estos días asistimos al XIX Congreso del Partido Comunista chino, o sea, que se están celebrando las elecciones a la Presidencia del Gobierno, con d…

José Manuel Palacín Y Rodríguez
Ler máis

Incendios y oportunistas

Nacho Louro

Sin lugar a dudas lo más triste de esta tragedia medioambiental, es la pérdida de cuatro vidas humanas. Los terroristas ecológicos han sabido aprov…

Nacho Louro
Ler máis

Máximas desculpas Portugal

Daniel Lago

A solidariedade para com todas as famílias das vitimas e desde a minha cativa posição, exponho as minhas máximas desculpas, no nome dos bons e gen…

Daniel Lago
Ler máis

Conversas na Encrucillada

Usamos cookies propias e de terceiros para mostrar publicidade personalizada segundo a súa navegación. Se continua navegando consideramos que acepta o uso de cookies. OK Máis información