10.8 C
Santa Comba
sábado, junio 15, 2024

More human than human

Assim é como começou o «White Zombie» há mais de 20 anos anunciando a obsolescência da humanidade ante a nova inteligência das máquinas. Hoje já caminhamos mais na corda bamba do abandono definitivo da nossa forma humana, somos seres 4.0 numa sociedade virtual e mais do que nunca ingerimos as nossas consciências dentro daquele «Matrix» daquele filme famoso de finais de século XX.

Claro, toda esta virtualidade e automatização e robotização têm também seus reflexos na forma atual de agir dos atores políticos. A robotização da política tira do habitat ao fator humano, deixa nas mãos de «bots» a difusão das mensagens e cria uma realidade alternativa retro-alimentada constantemente com mais e mais mensagens. Todo remata sendo mais humano que o humano, todo ultra-passa ao humano e recolhe essa frialdade do aço e do plástico que têm as maquinas e os psicopatas sociais. Pois, efetivamente, isto na política tem uma tradução clara e observável facilmente nas últimas épocas. Assistimos à perda dos valores do humanismo que sustentaram durante mais de dois séculos às imperfeitas democracias nas quais adoitávamos a viver.

Nesta perda dos valores do humanismo aparecem esses novos fenómenos que lutam contra a política, como mal das sociedades e que provocaram na fim, este estado das coisas atual. Nascem esses buracos nas redes sociais infestados de ódio e de raiva, onde baixo a face do anonimato, gentes de todo tipo deitam as suas tripas acima de todo o que for minimamente progressista e liberal. Surgem web-sites, contas de tweeter, facebook,… encarregadas de fazer real o irreal e converter o irracional e irreflexivo em moda e tendência: desde «Terraplanistas» que invadem o globo terráqueo com seus discursos, passando por a corrente dos «Antivacinas», até os discursos do novo «apartheid»; todo no mesmo plano sujeito entre a religião e o dogma.

Fora do humanismo, não há já humanidade, aparecem unicamente algoritmos e computação e tecnologias e estatísticas que criam a política como unidade de mercado e abandona aquele eleitor racional que passa agora unicamente a ser um eleitor «emocional».

Somos já todos políticamente «more human than a human», somos já todos pequenos «bots» irreflexivos, acríticos e virados as mais das vezes a não tentar perceber nada do que temos na nossa contorna, complexa demais para a sua análise racional. Estamos já na guerra entre o governo da ração e o governo da crença. E de momento parece que vai ganhando a crença, uma nova crença que recolhe a libertação total de paixões, emoções e vai ao abandono do conhecimento e finalmente no abandono da democracia como melhor forma de gestão e mediação dos conflitos das sociedades.

Pódeche interesar

DEJA UNA RESPUESTA

Por favor ingrese su comentario!
Por favor ingrese su nombre aquí
Captcha verification failed!
La puntuación de usuario de captcha falló. ¡por favor contáctenos!

Síguenos

7,820FansMe gusta
1,661SeguidoresSeguir
1,826SeguidoresSeguir
1,250SuscriptoresSuscribirte

Últimos artigos