6508 fans     1602 seguidores     43 seguidores - Club Adiante - Dirixe: Xosé Manuel Lema [Contacto]
Adiante Última Hora
  • Cargando las noticias de última hora...Cargando las noticias de última hora...

O Partido da Terra augura o inicio dunha nova etapa

O Partido da Terra augura o inicio dunha nova etapa

Entrevistas | Publicada: 05/12/2015

Aumentar texto Disminuir texto Reiniciar texto
0
0
0

Email Google+ Pinterest WhatsApp Menéame Chuza! Cabozo

Tempo de lectura: 8 minutos e 3 segundos.

Joam Evans é unha das caras visibles do Partido da Terra.Candidato ao Senado e actualmente concelleiro en Lousame, participou nesta entrevista de Adiante Galicia.

P- Cal e motivo polo que se presentan as eleccións?

R-Com a sua participação na campanha, o Partido da Terra confrontará o bloco monolítico de políticos profissionais, estatistas, parlamentaristas e desenvolvimentistas que disputam, com aparente antagonismo, a concessão administrativa de decidir por nós durante os próximos quatro anos, enquanto confiam que continuemos chamado-lhe a "isso" democracia. Frente essa velada "candidatura de unidade" da ditadura parlamentar, o PT defenderá que "todas as pessoas somos políticas, sendo a política uma função social básica e universal" dando visibilidade a uma alternativa à política profissional centrada no autogoverno das pequenas comunidades que é um anceio que cada vez partilhamos mais pessoas. For qual for o resultado, o verdadeiramente importante e continuar a trabalhar para construir essa realidade desde abaixo e não desde Madrí.

 P-Cales son as principais propostas para estas eleccións do Partido da Terra?

R-O Partido da Terra foi fundado em julho de 2011 como movimento de transição para o autogoverno assemblear em concelho aberto e para a autossuficiência comunitária. Desde o início, a suas ações foram sempre encaminhadas a provocar uma transformação radical e necessária do conceito "política", através da reivindicação da democracia direta assemblear e a construção de institucionalidades alternativas às do estado. Neste ponto, frente as retóricas banais de "democracia real" e as proclamas por um "proceso constituyente" que de forma desesperada querem dar continuidade à engrenagem estatal, queremos fazer um chamamento para iniciar um verdadeiro "processo desconstituinte" que subtraia progressivamente poder, legitimidade, autoridade e efectividade ao quadro jurídico-político-económico que sustenta a existência do estado.

 P- Por onde habería que comezar a cambiar o sistema actual?

R-Por nós próprias. A principal mudança deve ser de valores, trocando os de acumulação, concorrência, consumismo, submissão e depredação polos de igualdade, ajuda mútua, autossuficiência e autogestão. Para isso, o processo desconstituinte não procura reformular ou substituir este aparato estatal por outro, mas construir de forma paralela e em seu detrimento, institucionalidades alternativas para o autogoverno assemblear comunitário e a autogestão das necessidades básicas, possibilitando o desenvolvimento de sociedades à margem do estado, contra o estado, sem estado. Projetos como a Cooperativa Integral Catalana são um bom exemplo, articulando uma multiplicidade de iniciativas tanto a nível territorial como sectorial (alimentação, auto-emprego, financiamento, tecnologia, educação, vivenda, saúde e transporte).  

P-Nalgún momento valorou o voso partido formar parte da candidatura de unidade popular que se pretendía? Como víches este proceso?

R-Mesmo que as pessoas que integramos o Partido da Terra temos seguido com interesse e mesmo participado diretamente nalgumas convocatórias dos últimos meses nos que se realizavam apelos para que a cidadania assumisse o "protagonismo de forma direta", para desenvolver a "auto-organização cidadá" e reclamar o "direito a decidir tudo", por usar palavras textuais, acabou por resultar evidente a distância existente entre as retóricas da "participação cidadã" e da "democracia radical" ou "real" e uma praxe que acaba reproduzindo as dinâmicas sistémicas da política profissional dando continuidade à infantilização política das pessoas, cuja capacidade de decidir é reduzida às convocatórias eleitorais. Essa é a verdadeira "candidatura de unidade" de todas as forças que usurpam a nossa capacidade de decidir, mesmo que formalmente "concorram" por separado para manter a aparência de pluralidade, do mesmo jeito do que em qualquer concurso de adjudicação pública, no que são expertas.

P-Deixo este espazo para que transmitas o que desexes...

R-Rejeitando a visão monolítica do poder e da autoridade, e percebendo que a continuidade do sistema estatal constitucional depende, em última instância, da nossa lealdade e cumplicidade com o regime, temos o direito e dever de revoltar-nos contra uma ordem constitucional que destrói lentamente o tecido social, a terra e a própria natureza humana. 

Este direito e dever de rebelião deve traduzir-se na não-cooperação social, económica e política, na desobediência civil, e no estabelecimento de novas institucionalidades à margem do estado. Na Galiza as comunidades vizinhais são um espaço natural para a configuração das fórmulas de autogoverno e autogestão comunitária. Com o fim do ciclo eleitoralista que trazem as eleições gerais de 20 de dezembro (e que na Galiza terá seus derradeiros estertores em 2016) abre-se, precisamente com o Solstício de Inverno, noite mais longa do ano e começo passeninho da volta do Sol e da luz, uma nova etapa que devemos saber aproveitar.

@AdianteGalicia

Se queres podes deixar un comentario sobre esta noticia no Facebook:

Pódeche interesar...

 Alejandra Plaza:”embaixada.gal está servindo de soporte a moita xente e incluso se achegan a nós para pedir axuda de todo tipo”

Alejandra Plaza:”embaixada.gal está servindo de soporte a moita xente e incluso se achegan a nós para pedir axuda de todo tipo”

//Xosé Abelenda//Xosé Manuel Lema// Alejandra Plaza, é xornalista, escritora e presidenta de embaixada.gal. Precis…

Ler máis
Se confirman alrededor de una veintena de casos positivos de coronavirus en Santa Comba

Se confirman alrededor de una veintena de casos positivos de coronavirus en Santa Comba

AUDIO- Intervención de David Barbeira en Radio Xallas   El alcalde de Santa Comba, David Barbeira, volvió a…

Ler máis
Coronavirus Galicia: 3.476 casos de persoas infectadas e 79 persoas falecidas

Coronavirus Galicia: 3.476 casos de persoas infectadas e 79 persoas falecidas

A Dirección Xeral de Saúde Pública da Consellería de Sanidade informa que, na última actualización, o número de c…

Ler máis

Noticias sobre A Costa da Morte, as suas comarcas e os seus concellos: Bergantiños, Soneira, Camariñas, Carballo, Cee, Corcubión, Dumbría, Fisterra, Muxía, Vimianzo, Santa Comba e Zas.
Opinión
Autos Xallas
Concello da Laracha
Concello de Mazaricos
En breves
Maderas Algarian Company S.L.

Adiante TV

Opinión

Auri: aquelas cancións seguen soando

Xosé Manuel Lema Mouzo

Aínda que nunca me deu clase, sabía  Auri Guerrero, da miña temperá e case obsesiva paixón polas letras.  Aquelas primeiras composicións e…

Xosé Manuel Lema Mouzo
Ler máis

O informe Petras 25 anos despois

Álvaro Rodríguez

No presente artigo imos expoñer ou lembrar uns artigos do sociólogo Jamen Petras. Sobran as presentacións para o "revolucionario e anti-imperialist…

Álvaro Rodríguez
Ler máis

A ilusión e a realidade

Álvaro Rodríguez

Podemos,  Anova,  Mareas dalgúns pobos e  Esquerda Unida  pecharon  unha candidatura conxunta  despois de criticarse  ácidamente e de chegar …

Álvaro Rodríguez
Ler máis

Conversas na Encrucillada

Usamos cookies propias e de terceiros para mostrar publicidade personalizada segundo a súa navegación. Se continua navegando consideramos que acepta o uso de cookies. OK Máis información