3018 fans     1095 seguidores     33 seguidores - Club Adiante - Dirixe: Xosé Manuel Lema [Contacto]
Orange Santa Comba
Formula Hit

Daniel Lago

Daniel Lago

Nado en Vigo, en 1979.Licenciado em CC. políticas pela USC (1998-2003) especialidade em estudos políticos e relações internacionais.Especialidade Estudos Europeus na Universidade Moderna de Porto.Empresario do sector financeiro e da gestão de riscos e a proteção financeira.Membro do CPN de Compromiso por Galicia 

Levamos anos a ficar a olhar navios

Publicada: 05/07/2016

Aumentar texto Disminuir texto Reiniciar texto
16
0
0

Email Google+ Pinterest Menéame Chuza! Cabozo

Tempo de lectura: 7 minutos e 24 segundos.

Os dias 28 e 29 do passado mês de Junho tiveram lugar na boa vila de Pontevedra as primeiras jornadas de estudos internacionais organizadas pelo IGADI (Instituto Galego de Análise e Documentação Internacional). Não posso mais que dar os meus parabéns desde estas linhas, primeiramente ao director do instituto, Xulio Rios, pelo inteligente e contingente trabalho que é aportar uma perspectiva galega na análise das relações internacionais, e seguidamente, por extensão, aos diversos colaboradores por achegar com uma olhada plural e alongada, aberta a diversos; e as mais das vezes divergentes; pontos de vista, um saber estar no mundo, sabendo estar na Galiza.

Umas Jornadas, nas que logo de ouvirem aos diferentes palestrantes que por lá foram, serviram para que ficáramos ante duas conclusões claras e fundamentais, sobre as quais poderia dar-se um primeiro passo para o caminhar cara a uma construção de uma diplomacia e de uma política exterior criada por, desde e para o nosso pais. Uma primeira conclusão, partilhada pelos mais, e sobre a qual parece existir um amplo consenso é que o modelo de políticas, ou da chamada acção exterior, dos actuais poderes públicos da nossa comunidade autónoma, tem que pôr-se a funcionar. Seguindose a isto, esta acção exterior, ou política exterior galega, têm um espelho onde olhar-se, e um modelo de para-diplomacia a seguir; esta é o actual modelo basco. O governo de Gasteiz transcende o seu marco competencial a uma acção exterior naqueles temas onde é competente. Colhe e leva da mão a empresas e instituições, para a internacionalização da sua economia e a defesa dos seus interesses em diversos foros internacionais, já não no seio de uma UE, considerada já como organização política e de mercados internos, senão para além da mesma.

Para reflectir este caso, justamente nesta semana passada, num acto cheio de simbolismo, era plantada uma descendente da árvore de Guernica no “Mall” de Washington DC, ao abeiro de uma expedição dirigida pelo governo basco e na qual, à sua vez, trasladavam a diversos grupos empresariais locais a posição do Pais Basco como referente em muitas das novas tecnologias e da industria da inovação. Transladavam uma imagem de pais, que reforçavam com a sua posição como um ponto nodal; como “Hub” ou pivô; dentro da UE. A política exterior basca, tem lugar num pais onde poder amossarse ao mundo e onde poder fazer inversões industriais directas. O governo do Pais Basco já entende a acção exterior na UE, como política doméstica e procura novos mecanismos para alongar ao resto do mundo a sua para-diplomacia. Uma para-diplomacia por debaixo das chancelarias estaduais, encarregadas ultimamente, de firmar a paz e fazer a guerra, ou já nem bem isso.

E isto, leva-nos já a uma segunda conclusão, repetida também em cada uma das sessões destas 1ª Jornadas de Estudos Internacionais organizadas pelo IGADI: a posição atlântica da Galiza, como centro do oceano que é, ao tempo que é também, ponte que alarga a Europa cara os EUA e Canada e a toda América do Sul; tanto a da hispanofonia como à lusófona, representada no Brasil; e é que a través desta ultima comunidade, na que já estamos perto de integrarmos; a da lusofonia; chegamos para além da África e até ao Extremo Oriente. A Galiza, deveria de retomar uma posição no mundo, perdida desde a perspectiva mais mediterrânea que teve a política exterior do Reino da Espanha e pode para já iniciar uma acção exterior própria, que além de procurar o nexo, que indubitavelmente, proporcionam as comunidades galegas no exterior, e que foi eixo basculante de toda a acção de política exterior dos governos autonómicos até hoje, procure uma conexão com essa “galeguidade”, mais na forma da procura da criação de um “lobby galego” de influencia planetária.

Uma política exterior que abandone a base de programas políticos de mera ajuda social e de rápido e imediato sucesso eleitoral. Existem ao tempo, discursos e fortaleças internas que podem dar uma grande fortaleça à nossa posta de largo no mundo. Mas se calhar, todo isto, depende, no fundo, unicamente e exclusivamente, de uma vontade política de construção de uma política exterior própria e autónoma. Por certo, se quiserem seguir a ficar a olhar navios, podem visitar a web www.marinetraffic.com 

Se queres podes deixar un comentario sobre esta opinión no Facebook:

Pódeche interesar...

Os servidores de Putin

Daniel Lago

A última nova do que acontece nesta guerra “híbrida” é o back-up dos telemóveis chineses, de milhares de dados de utentes ocidentais, não é mais do que uma das batalhas que nestes dias acontecem por todo o mundo. Uma parte mais da guerra “híbrida”, uma guerra onde o “Big Data” e isso que demos em chamar a “Internet das coisas” joga já um plano fundamental. As novas tecnologias e as redes sociais são um novo campo de batalha.   Como curiosidade a China, depois do I…

Daniel Lago
Ler máis

Presupuestos Participativos de la Marea, un “éxito”

Nacho Louro

El invento de los “presupuestos participativos” no es más que un brindis al sol de la nueva política populista para vendernos que frente al sistema político de “democracia representativa”, es mejor el sistema de la “democracia participativa”, en donde los ciudadanos tienen una mayor participación en la toma de decisiones políticas, más allá de ejercer el derecho a voto cada cuatro años, con el que elegimos a nuestros representantes.    Hemos conocido el resultado del …

Nacho Louro
Ler máis

Raro o rato chorar a morte do gato

Daniel Lago

Quando em fins dos ´80 do século passado, a URSS colapsou; e com ela todo o bloco do Leste da Europa; esta estava no médio de uma forte tormenta económica, tinha batalhas e guerras abertas além e aquém do mundo e nas suas sociedades tinha-se ingerido uma mais do que forte insatisfação com o sistema, no que crescia a corrupção, o clientelismo e as desigualdades, numa sociedade governada por uma elites “white collar” que cresceram, dentro, por e para, o sustimento do PCUS e do aparel…

Daniel Lago
Ler máis

Noticias sobre A Costa da Morte, as suas comarcas e os seus concellos: Bergantiños, Soneira, Camariñas, Carballo, Cee, Corcubión, Dumbría, Fisterra, Muxía, Vimianzo, Santa Comba e Zas.
Opinión
Merca o teu pobo Santa Comba Nadal 2016
DAC Outono Cultural
Mantido S.L. Construcciones y Obras Públicas
Concello de Dumbría
Concello de Mazaricos
En breves

Adiante TV

Opinión

Os servidores de Putin

Daniel Lago

A última nova do que acontece nesta guerra “híbrida” é o back-up dos telemóveis chineses, de milhares de dados de utentes ocidentais, não é …

Daniel Lago
Ler máis

Presupuestos Participativos de la Marea, un “éxito”

Nacho Louro

El invento de los “presupuestos participativos” no es más que un brindis al sol de la nueva política populista para vendernos que frente al sist…

Nacho Louro
Ler máis

Raro o rato chorar a morte do gato

Daniel Lago

Quando em fins dos ´80 do século passado, a URSS colapsou; e com ela todo o bloco do Leste da Europa; esta estava no médio de uma forte tormenta ec…

Daniel Lago
Ler máis

Conversas na Encrucillada

Usamos cookies propias e de terceiros para mostrar publicidade personalizada segundo a súa navegación. Se continua navegando consideramos que acepta o uso de cookies. OK Máis información