3013 fans     1094 seguidores     33 seguidores - Club Adiante - Dirixe: Xosé Manuel Lema [Contacto]
Orange Santa Comba
Formula Hit

Daniel Lago

Daniel Lago

Nado en Vigo, en 1979.Licenciado em CC. políticas pela USC (1998-2003) especialidade em estudos políticos e relações internacionais.Especialidade Estudos Europeus na Universidade Moderna de Porto.Empresario do sector financeiro e da gestão de riscos e a proteção financeira.Membro do CPN de Compromiso por Galicia 

A ineficácia de certos rituais

Publicada: 26/10/2016

Aumentar texto Disminuir texto Reiniciar texto
11
3
0

Email Google+ Pinterest Menéame Chuza! Cabozo

Tempo de lectura: 13 minutos e 20 segundos.

O outro dia, saiam religiosamente, mexidos pela fé, gentes à rua em manifestação contra o TTIP. Contra do TTIP, o CETA e todo acordo transatlântico e que tenha cheirinho a Estados Unidos. Além do mais, da analise que poderíamos começar a fazer sobre a ineficácia de certos rituais, insisto em chamar a uma reflexão precisa sobre a necessidade de achegar posturas com a outra banda do mundo onde, mal que bem, a democracia dos direitos e liberdades vai funcionando.

É certamente, uma questão de mal menor para muitos, de minimizar danos, unicamente, como saída plausível a um momento onde a questão fiscal e a questão demográfica são problemas que atingem gravemente o futuro da Europa, além do incerto futuro do novo sistema internacional que vem-nos por cima. 

Poderíamos vir fazer uma serie de perguntas sobre tudo isto. Vou a tirar uma entrevista para a ocasião. A ver se o jornalista não é duro comigo. Vamos começar com o ritual da entrevista.

Que é o TTIP?

Mais que é que o TTIP é, como acordo de livre comercio entre os EUA e a UE, eu achegaria que o TTIP é principalmente uma harmonização jurídica e legal para facilitar o comercio, além de uma simples baixada de taxas, que já de próprias, são realmente baixas. Uma harmonização, que evita muitas das inseguridades jurídicas, que as PME, podem topar para a internacionalização das suas actividades. A dia de hoje, já existem múltiplas parcerias entre empresas, câmaras de comercio e grupos de empresários para levar os seus produtos e serviços a ambas beiras do Atlântico. 

Porém, neste momento os termos actuais nos que está a ser fixado o tratado não conquistam a nenhuma das partes. De momento, não será o legado da presidência Obama

Que consequências pode ter o TTIP?

Uma das consequências é a criação da maior zona comercial do mundo, logo da China, e a primeira por PIB. Além disto, cria-se uma zona geopolítica que fez fronte à expansão de economias que não apoiam num sistema político que poderíamos dar em chamar de poliarquia, dentro das coordenadas do respeito aos direitos humanos e da democracia representativa.

Neste marco, temos que entre os EUA e a UE, devemos criar, uma zona de progresso e liberdade no mundo. Já actualmente é a parte do globo onde o respeito, por exemplo, aos direitos médio-ambientais, supera com muito, aos de outras muitas economias do mundo, onde não falam, nem têm em conta, este tipo de externalidades, nem por parte dos governos, nem por parte das sociedades e as comunidades locais.

Como vai a afectar isto a Europa?

Disse que a Europa tem condições para levar os valores de empresas da economia sustentável ao sucesso. Dentro da chamada nova economia, os valores de empresas da agricultura orgânica, ou de empresas responsáveis socialmente com os valores da pós-modernidade das nossas sociedades: ambientalismo, feminismo, cultura para a paz, uso de energias renováveis, ou a procura de uma economia sustentável ; têm cada vez maior alargamento nos mercados e nas sociedades, tanto dos EUA e da UE. 

Os próprios consumidores, envolvidos num cambio de modelo de consumo e numa sociedade mais informada e mais consciente, podemos optar já por beneficiar a este tipo de empresas, procurando os seus serviços e produtos, nos mercados. 

No que tem a ver com os consumidores, vão a ter garantias de qualidade nos produtos?

Isto é mais do que evidente. O cambio de modelo de consumo, tem que levar, no que refere a produtos agrícolas e alimentares em geral, que é onde podemos perceber uma maior preocupação, a uma expansão numa nova revolução agrícola, com um caminho decidido cara uma agricultura de origem orgânica e sustentável. A Dinamarca, por exemplo, já tem fixado este objectivo para a sua agricultura por lei em 2015, com objecto de duplicar em 2020 as hectares de cultivo ecológicos.

Os consumidores, de cada vez, procuramos mais informação, melhor qualidade e garantias de controlo nos processos e na origem do que consumimos. Há uma maior cultura de consumo responsável. Forma parte do cambio cultural.

Já que então, isto vai levar ao fim da conquista cultural dos Estados Unidos face a Europa?

A cultura como conceito amplo civilizacional, poderíamos dizer que é a mesma dentro dos dois lados, já que ambos têm uma origem civilizacional comum, ambas partilhamos as origens greco-romanas e a expansão da cristandade. Logo, evidentemente, por debaixo deste máximo divisor comum, temos todo um mundo de mitos, de ritos e experiências muito diversas. Estamos ante, de jeito mais do que provável, ante o maior cambio cultural dos últimos séculos; as TIC´s e a revolução do Big Data estão a marcar este caminho.

Todo este mundo de experiências, na vez, amossa impossível essa conquista cultural. Agora, mais do que nunca, existem múltiplas sub-culturas dentro da mesma sociedade. Outro fenómeno será avaliar o facto cultural unicamente do lado do “establisment” ou do “mainstream”; nesse lado a partida já está jogada desde os concílios de Trento, esta-se a perceber, não é?

  Há possibilidades de que este acordo não chegue a aplicar-se? 

As possibilidades são reais no curto prazo, desde logo. Porém, não tanto no longo prazo, onde as sociedades; tanto da Europa como da América do Norte; olharão com grave preocupação o avanço de um mundo onde o seu modo de vida ira a ser reduzido de modo considerável. Este é o factor que pode chegar a consolidar esta aliança, que eu trato de ver como civilizacional e de defesa do mercado social. 

Isto vai a afectar à democracia?

Claramente, o avanço de modelos políticos autocráticos e a sua expansão económica no mundo, a través, as mais das vezes, de um modelo de “dumping” social, onde não se tem respeito algum pelos direitos humanos, nem pelo médio-ambiente, põe em perigo a estabilidade e seguridade das democracias. O avanço da China é sintomático disto, um estado ditatorial baixo o que vivem perto de 2.000 milhões de pessoas e onde, o respeito aos direitos humanos, não é, para nada, nenhuma prioridade para as autoridades. Por suposto, tampouco está na sua agenda nenhum controlo médio-ambiental sobre o seu desenvolvimento económico. Dos direitos dos trabalhadores já nem falamos. Não sei se estamos a perceber da realidade dos retrocessos dos sistemas democráticos no mundo actual, ainda que nominalmente muitos estados declarem que são democráticos, a realidade é bem distinta, e estamos ante uma onda de crescimento de regimes claramente autocráticos e ditatoriais.

Poderia ser a fim da democracia?

O novo estádio do capitalismo, na sua fase de capitalismo financeiro, tem como consequência, a nível mundial a maior concentração da riqueza da historia da humanidade, este processo, desde qualquer ponto de vista, é contrario à sustentabilidade dos sistemas democráticos e dos direitos e liberdades que partilhamos na actualidade. A democracia é um regime extremamente frágil, sujeito a vulnerabilidades e a constantes desafios. A maior parte da historia da humanidade, olhando para o passado, de facto, passou de longe de qualquer uma forma democrática de governo. A democracia representativa como sistema de governo é um fenómeno relativamente moderno e ligado intimamente a esta modernidade. 

Vai trazer alguma consequência positiva?

A aprovação do TTIP, dentro do mantimento de umas normas de respeito médio-ambientais, sociais e laborais é positivo para as sociedades beneficiadas pelo acordo. O livre comercio é uma das bases do progresso da humanidade. O TTIP para ser aprovado terá que fixar claramente o poder da UE para legislar sobre regulações de seguridade alimentar, normativa ambiental e o que venha referido aos direitos dos trabalhadores. Além disto, terá que fixar às claras a homologação europeia do sistema público de sanidade, como uma das linhas mestras para o bom sucesso do mesmo. Estes desde logo, são os maiores problemas para a sua necessária saída adiante.

Se queres podes deixar un comentario sobre esta opinión no Facebook:

Pódeche interesar...

Os servidores de Putin

Daniel Lago

A última nova do que acontece nesta guerra “híbrida” é o back-up dos telemóveis chineses, de milhares de dados de utentes ocidentais, não é mais do que uma das batalhas que nestes dias acontecem por todo o mundo. Uma parte mais da guerra “híbrida”, uma guerra onde o “Big Data” e isso que demos em chamar a “Internet das coisas” joga já um plano fundamental. As novas tecnologias e as redes sociais são um novo campo de batalha.   Como curiosidade a China, depois do I…

Daniel Lago
Ler máis

Presupuestos Participativos de la Marea, un “éxito”

Nacho Louro

El invento de los “presupuestos participativos” no es más que un brindis al sol de la nueva política populista para vendernos que frente al sistema político de “democracia representativa”, es mejor el sistema de la “democracia participativa”, en donde los ciudadanos tienen una mayor participación en la toma de decisiones políticas, más allá de ejercer el derecho a voto cada cuatro años, con el que elegimos a nuestros representantes.    Hemos conocido el resultado del …

Nacho Louro
Ler máis

Raro o rato chorar a morte do gato

Daniel Lago

Quando em fins dos ´80 do século passado, a URSS colapsou; e com ela todo o bloco do Leste da Europa; esta estava no médio de uma forte tormenta económica, tinha batalhas e guerras abertas além e aquém do mundo e nas suas sociedades tinha-se ingerido uma mais do que forte insatisfação com o sistema, no que crescia a corrupção, o clientelismo e as desigualdades, numa sociedade governada por uma elites “white collar” que cresceram, dentro, por e para, o sustimento do PCUS e do aparel…

Daniel Lago
Ler máis

Noticias sobre A Costa da Morte, as suas comarcas e os seus concellos: Bergantiños, Soneira, Camariñas, Carballo, Cee, Corcubión, Dumbría, Fisterra, Muxía, Vimianzo, Santa Comba e Zas.
Opinión
Merca o teu pobo Santa Comba Nadal 2016
DAC Outono Cultural
Mantido S.L. Construcciones y Obras Públicas
Concello da Laracha
Concello de Mazaricos
En breves

Adiante TV

Opinión

Os servidores de Putin

Daniel Lago

A última nova do que acontece nesta guerra “híbrida” é o back-up dos telemóveis chineses, de milhares de dados de utentes ocidentais, não é …

Daniel Lago
Ler máis

Presupuestos Participativos de la Marea, un “éxito”

Nacho Louro

El invento de los “presupuestos participativos” no es más que un brindis al sol de la nueva política populista para vendernos que frente al sist…

Nacho Louro
Ler máis

Raro o rato chorar a morte do gato

Daniel Lago

Quando em fins dos ´80 do século passado, a URSS colapsou; e com ela todo o bloco do Leste da Europa; esta estava no médio de uma forte tormenta ec…

Daniel Lago
Ler máis

Conversas na Encrucillada

Usamos cookies propias e de terceiros para mostrar publicidade personalizada segundo a súa navegación. Se continua navegando consideramos que acepta o uso de cookies. OK Máis información